Mercado abrirá em 1 h 47 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,63
    -0,01 (-0,02%)
     
  • OURO

    1.725,20
    +2,20 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    48.799,45
    +1.663,16 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    980,61
    -6,04 (-0,61%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.627,25
    +38,72 (+0,59%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.225,00
    -54,75 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7828
    -0,0128 (-0,19%)
     

Twitter suspende contas de ex-chefes das Farc que retomaram armas na Colômbia

·1 minuto de leitura
(2017) Os ex-chefes das Farc Iván Márquez (e) e Jesús Santrich, em Bogotá

O Twitter suspendeu as contas de dois antigos chefes da extinta guerrilha das Farc que se rearmaram na Colômbia e são foragidos da Justiça, por violarem suas políticas sobre "terrorismo e extremismo violento", informou a rede social à AFP nesta sexta-feira.

"No Twitter, não são toleradas organizações terroristas ou grupos extremistas violentos, nem as pessoas que se afiliam aos mesmos e promovem suas atividades ilícitas", assinalou um porta-voz da empresa.

Os perfis do ex-número dois da antiga guerrilha comunista, Iván Márquez, e do seu braço direito, Jesús Santrich, aparecem com a mensagem "conta suspensa". A decisão do Twitter foi tomada depois que os antigos rebeldes publicaram um vídeo em que criticam o presidente da Colômbia, Iván Duque, acusam o mesmo de "prejudicar o acordo de paz" e apoiam uma iniciativa em andamento para revogar seu mandato.

Márquez, Santrich e 20 ex-guerrilheiros se afastaram em agosto de 2019 do acordo de paz histórico que pôs fim a mais de meio século de conflito armado envolvendo as Farc. O perfil no Twitter que corresponderia a essa nova rebelião, chamada "Segunda Marquetalia", também foi suspenso.

O alto conselheiro presidencial do pós-conflito, Emilio Archila, chamou o vídeo dos rebeldes de bravata e acusou Márquez de ser narcotraficante e aliado "de um dos piores ditadores da história da América Latina", referindo-se ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

O tribunal de paz responsável por julgar os crimes mais graves do conflito excluiu ambos os dissidentes dos benefícios penais que constam do pacto. Caso eles sejam capturados, ficarão à disposição da Justiça comum.

lv/rs/lb