Mercado abrirá em 6 h 10 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.873,80
    +7,30 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    34.489,80
    -172,81 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    682,55
    -18,06 (-2,58%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    30.040,94
    +398,66 (+1,34%)
     
  • NIKKEI

    28.740,96
    +107,50 (+0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.373,25
    +79,00 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    -0,0809 (-1,24%)
     

Facebook e YouTube retiram vídeo de Trump após manifestantes invadirem o Capitólio

Elizabeth Culliford
·1 minuto de leitura
.

Por Elizabeth Culliford

(Reuters) - O Facebook e o YouTube retiraram do ar nesta quarta-feira um vídeo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em que ele voltou a alegar sem provas que a eleição presidencial dos EUA foi fraudada, mas pediu que os manifestantes que invadiram o Capitólio voltassem para casa.

O vice-presidente de integridade do Facebook, Guy Rosen, tuitou que a empresa de mídia social retirou o vídeo por acreditar que a decisão diminui o risco de violência.

O Twitter também limitou o compartilhamento do vídeo e uma publicação de Trump "por conta de um risco de violência", enquanto manifestantes invadiram o Capitólio dos EUA buscando forçar o Congresso a reverter a derrota eleitoral do atual presidente.

A empresa responsável pela rede social anunciou que tomaria ações contra ameaças e pedidos de violência e que restringiu "de maneira significativa o engajamento" com publicações rotuladas com sua política de integridade cívica, devido ao risco de violência. O Twitter disse que tais publicações não poderão ser respondidas, compartilhadas ou curtidas.

Nos tuítes, Trump continuou a fazer a afirmação infundada de que a eleição foi fraudulenta. No vídeo, ele também pediu que os manifestantes fossem para casa.

Trump e seus aliados espalharam de maneira contínua afirmações falsas sobre fraudes no processo eleitoral e que proliferaram em plataformas como o Twitter e o Facebook.

(Por Elizabeth Culliford em Nova York, Tiyashi Datta em Bangalore)