Mercado abrirá em 4 h 7 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,84
    +0,41 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.784,00
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    48.571,73
    -5.567,47 (-10,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.104,39
    -138,66 (-11,15%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.930,35
    -7,89 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.078,75
    +323,41 (+1,12%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.775,25
    +25,00 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Twitter quer ouvir o que você pensa sobre como lidar com contas de políticos

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

O Twitter vai abrir uma consulta pública para decidir quais devem ser as suas diretrizes para políticos e oficiais de governos. Embora a empresa não cite diretamente, a questão é uma consequência do banimento do ex-presidente dos EUA Donald Trump, no ano passado, após a invasão da sede do governo do país norte-americano.

Segundo a companhia, oficiais de governo e políticos são uma parte importante da plataforma e um ponto relevante para o discurso público. O objetivo é entender como os usuários gostariam que a rede social lidasse com casos como o de Trump.

“De modo geral, queremos ouvir do público se acreditam ou não que líderes mundiais devem ser submetidos às mesmas regras que outras pessoas no Twitter. Se um líder mundial violar alguma regra, qual tipo de ação é apropriada”, explica uma publicação da companhia.

Por conta disso, o Twitter vai abrir uma pesquisa pública sobre o assunto. O questionário será divulgado a partir desta sexta-feira (19) e ficara aberto até 12 de abril. Para evitar desentendidos, o questionário será traduzido em 14 línguas, incluindo português.

Por fim, o Twitter também informou que conversa com especialistas de diretos humanos de organização da sociedade civil sobre como lidar com o tema.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: