Mercado abrirá em 8 h 14 min
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,68
    -1,81 (-1,64%)
     
  • OURO

    1.807,90
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    30.332,23
    +755,39 (+2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,22
    +0,11 (+0,02%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.418,15
    +184,81 (+2,55%)
     
  • HANG SENG

    19.825,12
    -73,65 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    26.603,84
    +176,19 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.331,00
    -51,75 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2517
    -0,0074 (-0,14%)
     

Twitter promete não se tornar uma rede ofensiva com Musk

Elon Musk
informação foi divulgada portal Financial Times nesta quinta-feira (28)

(REUTERS/Dado Ruvic/Illustration)

  • Twitter enviou suposto e-mail à agências de publicidade para acalmá-las sobre futuro da rede;

  • Patrocinadores temem excesso de liberdade de expressão na plataforma sob comando de Elon Musk;

  • Empresa garantiu estar comprometida em evitar a associação de posts ofensivos às marcas.

O Twitter prometeu, a agências de publicidade, que não se transformará em uma rede “inóspita” e preconceituosa sob o comando do novo dono, Elon Musk. O objetivo foi acalmar as marcas que patrocinam a plataforma.

A informação foi divulgada portal Financial Times nesta quinta-feira (28) e, de acordo com o portal, um suposto e-mail foi enviado às companhias logo após o bilionário fechar um acordo de US$ 44 bilhões (R$ 217 bilhões) para adquiri o Twitter.

O temor da plataforma tem a ver com a posição de Musk como defensor absoluto da liberdade de expressão. Isso porque o empresário planeja remover somente os conteúdos formalmente ilegais, o que abre brecha para posts preconceituosos, aos quais as empresas patrocinadoras não querem seus nomes associados.

Isso quer dizer que campanhas antivacina, temas pró-nazistas e outros assuntos delicados podem ganhar espaço na rede. Conforme apontado pelo TecMundo, grupos como a judaica Liga Antidifamação (ADL) e a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP) já expressaram sua preocupação quanto ao relaxamento da moderação de tais conteúdos sob o comando de Musk.

Se isso, de fato, se refletir na prática, patrocinadores podem abandonar o Twitter e dar prejuízo aos negócios de publicidade da plataforma - atualmente estimado em US$ 4,5 bilhões (R$ 22 bilhões).

Por meio do e-mail, a rede afirma que “continua comprometida” em garantir que os anúncios dos patrocinadores não sejam associados a conteúdos ofensivos e prejudiciais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos