Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.660,45
    +2.488,48 (+5,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Twitter lança Birdwatch, comunidade de voluntários para combater a desinformação

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

Cada vez mais pressionado a agir contra a desinformação e a disseminação de fake news em sua plataforma, o Twitter anunciou, nesta segunda-feira (25), o Birdwatch, projeto que convoca os usuários da própria rede social a participar de um fórum de “vigilantes” capazes de indicar se um conteúdo pode ser enganoso. A novidade está sendo testada com exclusividade nos Estados Unidos, não sendo possível se registrar em outro país.

“O Birdwatch permite que as pessoas identifiquem informações em tweets que elas acreditam ser enganosas e escrevam notas que forneçam um contexto informativo. Acreditamos que essa abordagem tem o potencial de responder rapidamente quando informações enganosas se espalham, adicionando contexto em que as pessoas confiam e consideram valioso”, explica Keith Coleman, vice-presidente de produto do Twitter.

A ideia é que, futuramente, as anotações escritas pelos “birdwatchers” possam ser vistas atreladas aos tweets para qualquer usuário da plataforma; por enquanto, porém, elas só serão exibidas em um site separado do projeto, para que outros voluntários possam classificar sua utilidade e assim criar um ecossistema confiável de verificação de fatos; o programa só será expandido para a rede social em si após se provar “útil e apropriado”.

“Sabemos que há uma série de desafios para a construção de um sistema conduzido pela comunidade como este — desde torná-lo resistente a tentativas de manipulação até garantir que ele não seja dominado por uma maioria ou se torne tendencioso com base na distribuição de contribuintes. Estaremos focados nessas coisas ao longo do piloto”, garantiu Keith. Interessados em colaborar com o programa podem se cadastrar no hotsite especial.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: