Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,42
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.806,60
    +6,90 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    40.095,66
    +1.823,33 (+4,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,33
    +8,40 (+0,90%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.986,00
    -25,50 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0663
    -0,0421 (-0,69%)
     

Twitter exclui regiões de conflito e aumenta tensão com governo da Índia

·2 minuto de leitura
Twitter exclui regiões de conflito e aumenta tensão com governo da Índia
Twitter exclui regiões de conflito e aumenta tensão com governo da Índia

A relação tempestuosa entre o Twitter e o governo autoritário da Índia ganhou um novo episódio hoje. Em seu mapa de regiões do país, a empresa do pássaro azul marcou as regiões de Jamu e Caxemira, bem como a região budista de Ladaque, com não pertencentes à Índia.

Jamu e Caxemira têm predominância islâmica e são regiões que formam um estado de união que está em disputa entre o país de maioria hindu e o Paquistão, com maioria islâmica. Já Ladaque pertence ao território do Himalaia, região que a Índia disputa domínio com a China.

Essa exclusão dos territórios com conflitos políticos do mapa da Índia gerou a ira de grupos nacionalistas, dentre eles o Bajrang Dal movimento nacionalista hindu de direita. Seu líder, Praveen Bhati, abriu uma reclamação sobre o fato no distrito policial do estado de Uttar Pradesh (ao qual pertencem as regiões em conflito). Praveen também declarou na reclamação que o ato configura como traição ao povo da Índia.

O documento foi registrado contra o CEO do Twitter no país, Manish Maheshwari, por não cumprir uma lei nacional para evitar ações que causem inimizade ou ódio entre classes na Índia. Assim que a reclamação for apurada pela polícia, uma investigação pode ser aberta contra a empresa dos EUA, que já está em maus lençóis quanto à sua relação com o governo indiano.

Outros conflitos

Essa não é a primeira investigação que Manish Maheshwari sofre por práticas indelicadas da rede social na Índia. O CEO indiano já teve que responder por um vídeo que circulou no Twitter local em que supostamente carregava conteúdo que incitava à intolerância religiosa. Contudo, isso é só uma ponta de um iceberg ainda maior.

Desde o final do ano passado, o Twitter tem arranjado confusão com o governo autoritário de Modi. A tensão começou com a greve dos camponeses no país. Na época, Modi exigiu que o Twitter bloqueasse uma hashtag usada por militantes contra seu governo e também cobrou que contas de pessoas influentes ligadas a partidos de esquerda fossem bloqueadas. A rede social se recusou a bloquear jornalistas e a hashtag alegando liberdade de informação (mas cedeu nos outros casos).

Desde então, a relação entre as duas entidades começou a se tornar cada vez mais conflituosa, com banimento do app do Twitter governo da Índia e outros episódios recentes. Você pode conferir um pouco do histórico de conflitos aqui.

Via Reuters

Imagem: Yury Taranik/Shutterstock

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos