Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    18.945,76
    +51,25 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Twitter e YouTube vetam conteúdos de ex-assessor de Trump Steve Bannon por incentivar assassinatos

·1 minuto de leitura
Steve Bannon, ex-conselheiro de Donald Trump, saindo de tribunal em Nova York em 20 de agosto de 2020
Steve Bannon, ex-conselheiro de Donald Trump, saindo de tribunal em Nova York em 20 de agosto de 2020

O Twitter e o YouTube confirmaram nesta sexta-feira (6) que baniram o conteúdo postado em suas plataformas por Steve Bannon, um ex-assessor do presidente Donald Trump, depois que ele pediu o assassinato de várias autoridades americanas, incluindo o epidemiologista Anthony Fauci. 

A conta @WarRoomPandemic, chamada assim por causa nome do programa virtual de Bannon, foi "permanentemente suspensa por violar as regras do Twitter, especialmente nossa política em relação à glorificação da violência", anunciou o Twitter em um comunicado. 

Por sua vez, o YouTube retirou pelos mesmos motivos de sua plataforma o episódio em que Bannon fez essas declarações em seu canal, que ainda está ativo e tem mais de 200.000 inscritos. 

"Continuaremos vigilantes na implementação de nossas políticas durante o período pós-eleitoral", ressaltou Alex Joseph, porta-voz do YouTube. 

O canal não poderá enviar novos vídeos por ao menos uma semana, informou o YouTube. 

Em um episódio gravado na quinta-feira, Bannon atacou Fauci, diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, assim como o chefe do FBI, Christopher Wray, dizendo que queria "voltar aos velhos tempos dos Tudor na Inglaterra" para colocar as "cabeças em lanças" e então colocá-las "em ambos os lados da Casa Branca como um aviso aos burocratas federais". 

Bannon, de 66 anos, foi um dos criadores da bem-sucedida campanha presidencial de Trump em 2016 antes que o magnata republicano o demitisse. 

Suspeito, junto com outras três pessoas, de ter desviado recursos supostamente destinados à construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México, Bannon foi preso e acusado no final de agosto. Ele, no entanto, nega as acusações.

dho/lo/esp/ll/gma/bn/cc