Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,63
    -0,65 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.750,70
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    16.401,48
    -73,04 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    385,27
    +2,62 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.152,09
    -130,94 (-0,46%)
     
  • NASDAQ

    11.691,00
    -91,75 (-0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6174
    -0,0070 (-0,12%)
     

Twitter dispensa milhares de trabalhadores sem aviso prévio

Neste sábado (12), o Twitter realizou a demissão em massa de contractors, modalidade de trabalho independente similar ao "PJ" do Brasil, afetando entre 4.400 e 5.500 trabalhadores. Outros relatos recebidos pela Axios e CNBC confirmam que a maioria dos contratados não receberam nenhum tipo de aviso prévio e que só descobriram o desligamento quando perderam acesso ao e-mail da companhia e as plataformas de comunicação internas.

Conforme anunciado pela Platformer, os cortes realizados no sábado à noite incluem tanto os funcionários baseados nos Estados Unidos quanto os espalhados ao redor do mundo, dos setores de engenharia, moderação de conteúdo, imobiliária, marketing, entre outros. Desde a aquisição da empresa pelo bilionário Elon Musk, o Twitter enfrentou demissões em massa, extinção do conselho administrativo e corte de 15% da equipe de segurança.

Segundo um e-mail interno visto pelo site Insider, que foi enviado somente depois que os funcionários descobriram a perda dos acessos da empresa, o Twitter explica que os cortes de pessoal são parte do "exercício de repriorização e poupança" da empresa. A mensagem eletrônica ainda avisa que o seu último dia de trabalho é esta segunda-feira (14), mas que não é esperado que eles façam nada.

O Twitter não respondeu ao pedido de comentário feito pelo site The Verge. A empresa não possui mais uma equipe de comunicação.

Fim do home-office pode ocasionar mais demissões

Após a onda de demissões em massa e executivos solicitando o desligamento da empresa, é possível que o Twitter ainda perca mais funcionários, devido a sua nova política de trabalho presencial. O site The Verge teve acesso à transcrição de uma sessão de perguntas e respostas entre Musk e os funcionários da empresa, em que o bilionário deixou claro que os empregados devem voltar a trabalhar no escritório.

Elon, que já se posicionou contra o home-office anteriormente, disse durante a conversa que o funcionário que puder aparecer no escritório e escolher não aparecer, terá seu comportamento interpretado como pedido de demissão. Ele ressalta que apenas "pessoas excepcionais" poderão trabalhar remotamente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: