Mercado fechará em 9 mins
  • BOVESPA

    111.102,55
    -2.327,99 (-2,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.618,05
    +53,78 (+0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,35
    -2,52 (-3,20%)
     
  • OURO

    1.943,00
    -2,30 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.056,05
    -117,37 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,35
    +278,67 (+114,83%)
     
  • S&P500

    4.056,06
    -20,54 (-0,50%)
     
  • DOW JONES

    33.751,49
    -334,55 (-0,98%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.146,00
    -6,00 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5498
    +0,0342 (+0,62%)
     

Twitter: Delatora do Facebook diz que Musk deveria abrir algoritmo da rede

Frances Haugen deu uma entrevista exclusiva para a NBC News em que discutiu sobre como a influência das redes sociais na política, em especial sobre o Twitter. Em resposta ao jornalista Chuck Todd, ela disse: "Uma das coisas mais importantes que Elon Musk poderia fazer para provar que deseja ter a praça pública é publicar os algoritmos." A ex-funcionária do Facebook foi a responsável por denunciar a empresa no chamado Facebook Papers.

Elon Musk comprou o Twitter por US$ 44 bilhões (R$ 236 bilhões) sob a justificativa de fomentar o discurso livre na plataforma, transformando-a em uma praça pública "onde assuntos vitais para o futuro da humanidade seriam debatidos". Segundo a ex-executiva, a melhor maneira de fazer isso seria através do código aberto: "Ele teria mais ajuda – seria mais barato para ele. Seria mais lucrativo."

Segundo o bilionário sul-africano, dentre as razões pelas quais ele adquiriu o Twitter, está dar "poder ao povo". Ele pretende promover o diálogo na plataforma que, segundo ele, foi perdido. Musk ainda deseja que a rede social seja a "fonte mais precisa de informações sobre o mundo".

No entanto, ele age de maneira contrária ao que prega, visto que suspendeu a conta de diversos jornalistas, além de ter reduzido expressivamente o número de funcionários encarregados da moderação de conteúdo.

Transparência e lucro

Ainda na entrevista à NBC News, Haugen disse que as empresas de mídia social se opõem à intervenção do governo, visto que poderiam reduzir seus lucros em pelo menos 20%.

"Se realmente tivéssemos transparência, se realmente tivéssemos responsabilidade, eles não seriam uma empresa com margens de lucro de 35%. Seriam uma empresa com margens de lucro de 15%", afirma Haugen.

A Meta, empresa-mãe do Facebook, vem enfrentando uma situação financeira difícil após a perda da receita de publicidade. No fim do ano, a big tech demitiu 11 mil funcionários — equivalente a 13% da força de trabalho. Segundo a denunciante, a empresa não seria capaz de se recuperar até que o CEO Mark Zuckerberg deixe o cargo.

O portal de notícias Insider tentou contato com a Meta e o Twitter, mas não obteve respostas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: