Mercado abrirá em 4 h 6 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,75
    +0,48 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.869,60
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    45.052,31
    -319,75 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.253,22
    +55,31 (+4,62%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.066,43
    +33,58 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.407,75
    +104,25 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Twitter criará ingressos para salas de bate-papo por áudio Spaces

Sheila Dang
·1 minuto de leitura
.

Por Sheila Dang

(Reuters) - O Twitter disse nesta segunda-feira que apresentará um novo recurso em suas salas de bate-papo ao vivo por áudio, Spaces, permitindo que os usuários cobrem entrada. Com isso, busca atrair mais criadores de conteúdo para sua plataforma.

Até agora, apenas alguns usuários que fizeram parte do teste piloto do Twitter foram capazes de criar seu próprio Space. A partir de agora, qualquer usuário com pelo menos 600 seguidores pode abrir uma sala de bate-papo, acrescentou a empresa.

O Twitter lançou o Spaces no ano passado para competir com o aplicativo viral Clubhouse, que deu início à tendência das salas de áudio ao vivo e atraiu celebridades e empresários, mas continua limitado como um aplicativo apenas para convidados.

Nos próximos meses, o Twitter disse que um grupo limitado de usuários será capaz de vender ingressos para acessar as salas do Spaces, e eles determinarão seus próprios preços e quantos ingressos ofertarão. Os hosts ficarão com a maior parte da receita, enquanto o Twitter receberá uma pequena quantia, acrescentou a empresa.

A iniciativa é parte do esforço do Twitter para ser mais relevante na "economia dos criadores", já que influenciadores e escritores independentes estão ganhando cada vez mais dinheiro com seu conteúdo em plataformas como YouTube ou Substack.

(Reportagem de Sheila Dang em Nova York)