Mercado abrirá em 4 h 15 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,09
    +0,91 (+1,51%)
     
  • OURO

    1.747,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    64.533,25
    +3.548,96 (+5,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.396,51
    +102,52 (+7,92%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.896,12
    +5,63 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.997,25
    +21,50 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8422
    +0,0110 (+0,16%)
     

Twitter cogitou comprar o Clubhouse por US$ 4 bilhões, diz site

Igor Almenara
·2 minuto de leitura

Nos últimos meses, o Twitter esteve em negociações diretas para adquirir o Clubhouse, informou o Bloomberg. Fontes consultadas pela publicação alegam que as companhias chegaram a discutir valores — que chegavam a US$ 4 bilhões —, mas interromperam o processo por alguma razão misteriosa.

Naturalmente, nenhuma delas se manifestou sobre o rumor. Segundo o site, a virada nas negociações foi o que motivou o Clubhouse a procurar por alternativas para levantar fundos, já na expectativa de receber US$ 4 bilhões a partir de investidores não identificados.

A ascensão meteórica do Clubhouse rendeu frutos bastante lucrativos para a Alpha Exploration, sua detentora. Em cerca de um ano, o app foi do anonimato para os milhões de downloads em todo o mundo, mesmo com a distribuição limitada aos usuários de iOS. Agora, a companhia encara a adoção da sua ferramenta principal, as salas de áudio, em concorrentes de peso.

Entre eles, está o próprio Twitter, com o Spaces. O produto da rede social cresceu rapidamente e levou meses para chegar em boa parte dos celulares (Android, inclusive). O mesmo aconteceu com Telegram, Discord, Mi Talk (da Xiaomi) e o mais recente, o Hotline, do Facebook. Uma movimentação esperada do mercado para abocanhar parte do sucesso do Clubhouse.

Por que deu errado?

É provável que a justificativa do Twitter sobre a suspensão das negociações nunca venha à tona. Esse tipo de informação costuma ser sigilosa, por serem relacionadas a valores estratégicos de uma companhia e sua disposição para competir nas tendências do setor.

Ainda assim, dá para palpitar algumas razões: o Twitter pode ter reconsiderado a compra ao avaliar o potencial no desenvolvimento de uma ferramenta própria, livre da influência do Clubhouse. Talvez, o investimento numa solução própria possa ter se mostrado mais eficiente, graças ao direito de interferência direta do comando da companhia, ou o valor de US$ 4 bilhões teria espantado o interesse da gigante.

Atualmente, Jack Dorsey continua com planos para o Spaces. O CEO pretende elevar o nível da plataforma integrada ao Twitter para gerar monetização, atrair público e diversificar o conteúdo. Essas discussões estariam em estágios iniciais, porém, e não há previsão para mais novidades por enquanto.

Futuro incerto

Apesar de aguardar um grande volume de investimentos, o Clubhouse encara a forte concorrência de redes sociais mais consagradas. A plataforma de salas de áudio precisará trabalhar constantemente para justificar o seu download diante das alternativas integradas o Twitter, Telegram e Discord, por exemplo — já presentes numa imensa quantidade de dispositivos e com a nova função de áudio distribuída apenas por uma atualização, sem precisar de um novo download.

Para isso, logicamente, o Clubhouse precisa abrir a carteira e impulsionar o desenvolvimento de novidades. Além disso, a sua distribuição limitada pode ser um problema, visto que as plataformas equivalentes estão disponíveis para o sistema operacional vizinho, enquanto a Alpha Exploration o deixou de fora.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: