Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.069,00
    +32.069,00 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Twitter bloqueou conta da vacina russa Sputnik V, segundo criadores

·1 minuto de leitura
Dose da vacina russa Sputnik V contra a covid-19

Os criadores da vacina russa contra o novo coronavírus, a Sputnik V, afirmaram nesta quinta-feira (14) que o Twitter restringiu o acesso à sua conta oficial. A página, porém, já foi normalizada.

"A conta da Sputnik V @sputnikvaccine foi restrita", disse em um comunicado o Fundo Soberano Russo (RDIF), que financiou o desenvolvimento do imunizante.

O perfil voltou ao ar ainda nesta quinta e publicou um tuíte explicando que, segundo a rede social, o bloqueio ocorreu devido a uma possível violação de segurança no estado da Virgínia, nos Estados Unidos.

Horas antes, um aviso havia aparecido na conta da Sputnik V no Twitter: "Atenção: esta conta está temporariamente bloqueada". No entanto, o perfil podia ser acessado clicando no botão "Sim, visualizar perfil".

Mais tarde, o RDIF anunciou que o acesso tinha sido restabelecido.

"O Twitter restabeleceu o acesso à conta @sputnikvaccine e explicou que haviam restringido a conta por uma possível violação da segurança procedente da Virgínia", informou o RDIF em um comunicado.

Batizada de "Sputnik V" em homenagem ao primeiro satélite enviado ao espaço pela União Soviética em 1957, a vacina foi registrada em agosto na Rússia.

Dessa forma, o país se tornou o primeiro do mundo a aprovar uma vacina contra a covid-19, apesar de ter recebido críticas da comunidade internacional, que apontou que o anúncio foi prematuro, já que foi feito antes dos testes de fase 3 e da publicação dos resultados científicos.

Na quarta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que que a Sputnik V é "a melhor" do mundo e ordenou o início de uma campanha maciça de vacinação no país a partir da próxima semana.

mp/jvb/age/ic/mvv