Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,79
    +0,59 (+0,75%)
     
  • OURO

    1.763,20
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    16.457,82
    +311,36 (+1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    27.905,08
    -122,76 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.506,00
    -18,75 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4592
    +0,0026 (+0,05%)
     

Twitter bloqueia acesso de funcionários aos escritórios até 21 de novembro

O Twitter enviou um comunicado oficial aos funcionários avisando que os escritórios da empresa serão temporariamente fechados neste final de semana. A reabertura deve ocorrer somente na próxima segunda-feira (21). Não foi dada uma explicação do motivo que levou a tal decisão.

A mensagem pedia aos trabalhadores para seguir cumprindo a política de confidencialidade da empresa. Isso significa que nenhum empregado pode vazar informações confidenciais nas redes sociais, na imprensa, nem com amigos ou familiares.

Existe o temor de que alguns serviços do Twitter possam começar a falhar já na próxima segunda-feira. Aparentemente, há um grande número de recursos que precisam da presença de engenheiros no local para realizar a manutenção.

Este foi o e-mail enviado para os funcionários do Twitter (Imagem: Reprodução/BBC)
Este foi o e-mail enviado para os funcionários do Twitter (Imagem: Reprodução/BBC)

O anúncio pegou muita gente de surpresa, principalmente após rumores de uma nova onda de demissões em massa. Desta vez, são os próprios funcionários que estariam deixando os cargos após o dono da rede social, Elon Musk, dar um ultimato: ou se empenha trabalhando muito, ou pede para sair.

A movimentação teria sido uma resposta à ameaça e um reflexo da precarização do serviço que tomou o Twitter na última semana. Primeiro, houve a dispensa de funcionários efetivos por e-mail na madrugada, depois uma nova rodada de dispensa de prestadores de serviço.

Trabalhadores do Twitter insatisfeitos

Em entrevista à rede de notícias BBC, um ex-funcionário do Twitter, que preferiu não se identificar, disse que a empresa deve estar atualmente com 2 mil funcionários. Antes das demissões, a rede social tinha mais de 7,5 mil pessoas, espalhadas em escritórios do mundo inteiro, inclusive no Brasil. No início do mês, perdeu cerca de 50% da força de trabalho.

Outra pessoa disse que pediu demissão mesmo estando preparada para trabalhar longas horas. "Eu não queria trabalhar para alguém que nos ameaçou por e-mail várias vezes sobre 'apenas tweeps [nome dado a funcionários do Twitter] excepcionais deveriam trabalhar aqui', quando eu já trabalhava de 60 a 70 horas semanais", explicou o trabalhador.

O Twitter ainda não se pronunciou oficialmente sobre os fatos recentes. Mesmo com tantos problemas, Musk tuitou na semana passada que a rede social obteve um recorde de utilização simultânea de usuários — ontem, repetiu a publicação.

No começo dessa semana, alguns serviços já começaram a apresentar falhas. A autenticação de dois fatores, que deveria enviar um SMS com um código para o número de celular cadastrado, falhou para muita gente ao redor do mundo. O erro chegou em meio a boatos de uma possível falência do Twitter, dada a preocupante situação financeira da rede social.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: