Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.530,71
    -2.260,48 (-4,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Twitter apaga 373 contas de “trolls governamentais”; cem perfis eram da Rússia

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

O Twitter acaba de anunciar que apagou um total de 373 contas falsas na rede social que eram utilizadas por órgãos governamentais de inteligência com o objetivo de disseminar desinformação. Desse total, 100 dos perfis eram administrados pela Agência de Pesquisa da Internet da Rússia (Internet Research Agency ou IRA, no original), que visa manipular a opinião pública através de plataformas de comunicação online.

Embora tal assunto não seja tão discutido, o uso das chamadas “fazendas de trolls” (ou troll farms) para operações de influência política é uma prática relativamente comum, sendo associada às “guerras da informação”. Acredita-se que a IRA tenha tido um papel fundamental na interferência das eleições presidenciais dos EUA de 2016. Além dos trolls russos, também foram suspensas contas da Armênia e do Irã.

Segundo o Twitter, a operação foi dividida em duas etapas, sendo que na primeira foram derrubadas 69 contas falsas que disseminavam ideais políticos do governo russo e tentavam minar a confiança pública na Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO). Já na segunda parte da investigação, outros 31 perfis foram removidos — a maioria deles publicava ataques contra os Estados Unidos e a União Europeia.

“A cada divulgação que fazemos, queremos educar as pessoas sobre as táticas usadas por atores estatais para manipular ou minar a conversa democrática aberta que acontece no Twitter. Desde que lançamos nosso primeiro arquivo em outubro de 2018, divulgamos dados relacionados a mais de 85 mil contas associadas a campanhas de manipulação de plataformas originárias de 20 países”, explica a rede social.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: