Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.152,42
    -1.307,47 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Twitter abre histórico de conversas públicas para pesquisadores gratuitamente

Diego Sousa
·2 minuto de leitura

O Twitter anunciou nesta terça-feira (26) uma série de mudanças importantes para pesquisadores acadêmicos que utilizam a plataforma para estudar o comportamento do usuário. As novidades fazem parte dos esforços da empresa para melhorar a nova API (conjunto de ferramentas para desenvolvedores e pesquisadores) do Twitter, que foi lançada em julho do ano passado.

Agora, os pesquisadores terão acesso gratuito ao histórico completo de conversas públicas por meio do endpoint de pesquisa de arquivo completo. Até então, somente clientes premium ou empresariais poderiam acessar esse histórico. Na prática, a medida busca dar ainda liberdade à comunidade científica entender o uso do Twitter e da mídia social em geral, principalmente agora em que tópicos como a desinformação online e o discurso de ódio se tornaram cada vez mais frequentes.

Além disso, o Twitter disponibilizou níveis mais altos de acesso à plataforma de desenvolvedores do Twitter gratuitamente, incluindo um limite de volume de tuíte mensal de 10 milhões, 20 vezes maior em relação ao que estava disponível na linha de produtos padrão, além de uma filtragem mais precisa com o objetivo de limitar a coleta de dados ao que é revelante para o estudo.

Também haverão novos guias técnicos e metodológicos para ajudar os pesquisadores a encontrar o que procura e maximizar os estudos.

"Os avanços do Twitter para a pesquisa acadêmica têm o potencial de eliminar muitas das limitações que os acadêmicos enfrentam ao trabalhar com a API do Twitter e nos permitem avaliar melhor o impacto e a origem das tendências que descobrimos", disse o Professor da Northeastern University, Dr. David Lazer

O Twitter reconhece sua plataforma nem sempre facilitou o acesso dos pesquisadores aos dados que eles precisam, mas que nos últimos dois anos houveram medidas bastante importantes para melhor a experiência dos pesquisadores, como a página dedicada à Pesquisa Acadêmica e a atualização da Política de Desenvolvedor do Twitter.

Segundo a empresa, quem quiser tirar proveito das novas mudanças precisará solicitar acesso e passar por um processo de revisão manual para determinar se os casos de uso descritos para acessar a linha de produtos atende à Política de Desenvolvedor do Twitter.

Além disso, os candidatos precisam atender a três requisitos:

  • Ser um aluno de mestrado, doutorado, pós-doutorado, professor ou funcionário com foco em pesquisa em uma instituição acadêmica ou universidade;

  • Ter um objetivo de pesquisa claramente definido e planos específicos de como pretende usar, analisar e compartilhar os dados do Twitter de sua pesquisa;

  • Não usar estes produtos para fins comerciais.

Se você é um pesquisador e tem dúvidas quanto à nova API do Twitter, acesse o fórum da comunidade de pesquisa acadêmica do Twitter.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: