Mercado fechado

TV Globo ameaça não realizar debates durante 1º turno das eleições municipais

João de Mari
·2 minutos de leitura
Brazilian presidential candidates Henrique Meirelles (MDB) (L) and Fernando Haddad (PT) (R) shake hands,  backdroped by Alvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT) , Guilherme Boulos (PSOL) and Marina Silva (Rede) before the start of the last televised presidential debate ahead of the October 7 general election, at Globo television network headquarters in Rio de Janeiro, Brazil on October 04, 2018. - Right-wing frontrunner Jair Bolsonaro, who was stabbed on September 6 during a campaign rally in the southern state of Minas Gerais, is absent due to medical reasons. (Photo by Daniel RAMALHO / AFP)        (Photo credit should read DANIEL RAMALHO/AFP via Getty Images)
Candidatos presidenciais brasileiros antes do início do último debate presidencial televisionado antes das eleições gerais de 7 de outubro de 2018 na sede da rede de televisão Globo (Foto: DANIEL RAMALHO/AFP via Getty Images)

A TV Globo não realizará debates durante o primeiro turno das eleições municipais a não ser que haja acordo entre o conjunto de candidatos para que apenas os quatro mais bem colocados nas pesquisas Ibope ou Datalfolha participem. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (21) em comunicado assinado pelo diretor-geral de jornalismo Ali Kamel.

Em São Paulo e no Rio de Janeiro, por exemplo, há mais de 10 nomes na disputa para as prefeituras. Neste caso, segundo o blog BRPolítico, não haveria debate no primeiro turno das eleições.

A emissora se justificou dizendo que diante da “severidade” da legislação eleitoral e das limitações impostas pela pandemia do coronavírus, só fará os tradicionais encontros caso ocorra um acordo.

Leia também

“A Globo vai lutar por esse acordo [entre os candidatos]. O debate de segundo turno permanece com a data prevista”, diz trecho da nota.

Embora afirme que seja inviável realizar os debates com 10 candidatos, “considerando que cada um possa ser acompanhado de apenas dois assessores”, por conta da aglomeração nos estúdios, a emissora descartou a possibilidade de um debate virtual.

Em nota, alegou que candidatos podem ser acusados de receber ajuda de assessores, ou uma queda na transmissão gerar acusações de favorecimento.