Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    48.995,09
    -231,65 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,21 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,17 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -30,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Turquia e Ocidente recuam na iminência de sua pior crise diplomática

·1 min de leitura
Presidente da Tutrquia, Tayyip Erdogan, dá entrevista à imprensa após reunião do gabinete

Por Tuvan Gumrukcu e Jonathan Spicer

ANCARA (Reuters) - A Turquia e seus aliados ocidentais impediram o desencadear de uma crise diplomática nesta segunda-feira depois que embaixadas estrangeiras disseram que obedecem as convenções diplomáticas de não-interferência, evitando a expulsão de 10 embaixadores.

O presidente Tayyip Erdogan, que no final de semana disse ter ordenado que os embaixadores fossem declarados "persona non grata" por pedirem a libertação de um filantropo preso, disse em uma coletiva de imprensa que estes recuaram e que serão mais cautelosos.

"Nosso objetivo é não criar crises, é proteger os direitos, leis, honra e soberania de nosso país", disse Erdogan na entrevista televisionada depois de uma reunião de gabinete.

"Com um novo comunicado emitido pelas mesmas embaixadas hoje, um passo atrás foi dado em relação à calúnia contra nosso país e nossa nação. Acredito que estes embaixadores... serão mais cuidadosos em seus comunicados a respeito dos direitos soberanos da Turquia."

Os embaixadores, incluindo o dos Estados Unidos, haviam pedido na semana passada que as autoridades libertassem Osman Kavala, filantropo detido há quatro anos acusado de financiar protestos e de se envolver em uma tentativa de golpe de Estado. Ele nega as acusações.

O apelo público enfureceu o governo turco, que disse que os diplomatas, incluindo de outros países como Alemanha, França, Canadá, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Suécia, Dinamarca e Finlândia, estavam interferindo nos assuntos internos da Turquia.

(Reportagem adicional de Eçe Toksabay e Sabine Siebold)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos