Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.295,17
    +228,04 (+1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Turquia anuncia medidas para fortalecer economia e prioriza combate à inflação

Açougue em Ancara, Turquia

Por Daren Butler e Ezgi Erkoyun

ISTAMBUL (Reuters) - O Tesouro da Turquia afirmou nesta sexta-feira que a luta contra a inflação continua sendo a prioridade em sua política macroeconômica depois que ele e outras instituições estatais anunciaram medidas para apoiar uma economia assolada por preços em alta e a lira em queda.

O Tesouro disse que emitirá títulos domésticos indexados às receitas de empresas estatais para incentivar a poupança de ativos em liras, o banco central elevou a taxa de compulsório para empréstimos comerciais em lira de 10% para 20% e o órgão de vigilância bancário ajustou um limite de vencimento para empréstimo pessoal.

"O combate à inflação continua sendo a prioridade máxima. Nesta luta é clara a importância da coordenação entre as instituições e todas as nossas instituições estão atuando com o entendimento de uma luta conjunta", segundo comunicado do Tesouro.

As medidas levaram volatilidade à lira. A moeda chegou a se firmar a 16,8 por dólar antes dos anúncios, e foi a 17,3 depois que eles foram apresentados.

A lira caiu 23% este ano, além da queda de 44% do ano passado, que foi causada por uma série de cortes não ortodoxos nos juros pelo banco central realizados sob pressão do presidente Tayyip Erdogan, apesar do aumento da inflação.

A crise da lira, por sua vez, agravou a inflação, especialmente este ano, com a guerra na Ucrânia elevando os preços da energia.

Os problemas econômicos e de mercado ocorrem no momento em que Erdogan enfrenta eleições difíceis em meados de 2023, com seus índices de aprovação já afetados pela disparada da inflação, que atingiu 73,5% em maio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos