Mercado fechará em 36 mins
  • BOVESPA

    121.558,36
    +1.637,75 (+1,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.218,99
    +284,08 (+0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,76
    +0,05 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.831,40
    +15,70 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    57.638,82
    +2.145,10 (+3,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.488,00
    +52,22 (+3,64%)
     
  • S&P500

    4.235,87
    +34,25 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.791,89
    +243,36 (+0,70%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.732,75
    +135,00 (+0,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3562
    -0,0104 (-0,16%)
     

Turismo tem prejuízo de R$ 65,6 bilhões no Brasil, segundo FecomercioSP

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
Travel Concept on Blue Background
Travel Concept on Blue Background
  • Prejuízo do turismo foi de R$ 65,6 bilhões na pandemia, segundo a FecomercioSP

  • Somente em fevereiro deste ano, a queda no faturamento foi de R$ 9,35 bilhões

  • Setor aéreo foi o mais afetado

O setor de turismo registrou um prejuízo de R$ 65,6 bilhões desde o início da pandemia da covid-19 até o fevereiro de 2021, segundo a FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo). Em meio à crise, o setor teve um resultado 38% menor do que o mesmo período entre março de 2019 e fevereiro 2020.

Leia também:

As piores perdas do ciclo aconteceram no segundo trimestre de 2020, quando o turismo nacional chegou a encolher pela metade. Em fevereiro deste ano, a queda no faturamento foi de R$ 9,35 bilhões (29,1%), e consolidou um ano inteiro do setor fechando no vermelho mês a mês. 

Mais afetados

O setor aéreo é o mais afetado, com uma perda de 59,6% do faturamento no período. Em fevereiro de 2021, a queda foi de 49,6% quando comparado ao mesmo mês em 2020. Os prejuízos devem continuar nos próximos meses com a intensificação da pandemia e sem previsão de melhora.

Depois, vêm os serviços de alimentação e alojamento, com um prejuízo de 41,1% desde o início da pandemia. A queda do faturamento de atividades culturais, recreativas e esportivas foi de 32,1%.