Mercado fechado

TSE firma parceria com TikTok para se aproximar de eleitor mais jovem

Isadora Peron
·2 minutos de leitura

A parceria foi feita para combater a disseminação de "fake news", na plataforma, durante as eleições municipais deste ano O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fechou nesta sexta-feira (2) uma parceria com o aplicativo TikTok para o combate à disseminação de "fake news" na plataforma durante as eleições municipais deste ano. Enquanto nos Estados Unidos o governo está numa cruzada contra o aplicativo de vídeos curtos, aqui no Brasil o TSE criou uma conta oficial na plataforma para poder divulgar dados sobre o pleito e tentar se aproximar da parcela mais jovem do eleitorado. "O Tribunal Superior Eleitoral estreia hoje a sua conta oficial no TikTok e eu fiz uma manifestação, não pude dançar, porque não estou podendo, mas fiz uma manifestação voltada para o público do TikTok com o impulso de mobilizar as pessoas jovens, não necessariamente para política, mas para ser cidadãos ativos, que pensem o mundo e ajudam a fazer diagnósticos e encontrar soluções", brincou o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso. O ministro afirmou que o aplicativo vem se destacando nos últimos meses e ganhando espaço entre o público mais jovem. "O TikTok chega com grande força a esse mundo das redes sociais, um mundo predominantemente jovem, e nós temos grande interesse em ter acesso a esse público, porque nós precisamos atrair jovens idealistas, patrióticos, para a vida pública, para se interessarem pelo Brasil", apontou. Twitter Mais cedo, o tribunal também fechou um acordo com o Twitter. Na ocasião, o gerente de políticas públicas da plataforma no Brasil, Fernando Gallo, afirmou que a empresa tem trabalhado para garantir uma "conversa saudável" por meio do aplicativo. "A qualidade da informação é muito importante para as integridades da democracia", disse Gallo. Uma das medidas que ele destacou foi o fato de o Twitter ter vetado a venda de propagandas políticas em todo o mundo. "Nós entendemos que o alcance político deve ser merecido e não pago, portanto a gente não vai vender publicidade nestas eleições", disse. Mais parcerias Durante a semana, o TSE também oficializou parcerias com outros aplicativos, como o WhatsApp, Facebook e Instagram, além do Google. A ideia é que as plataformas também atuem no combate à disseminação de notícias falsas. A corte criou ainda o projeto “Coalizão para Checagem” em parceria com nove agências para atuar durante a eleição. Participam do projeto a AFP, Agência Lupa, Aos Fatos, Boatos.org, Comprova, E-Farsas, Estadão Verifica, Fato ou Fake e UOL Confere.