Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.727,98
    +1.152,09 (+2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Trump concede aos venezuelanos nos EUA proteção contra deportação por 18 meses

·1 minuto de leitura
Cidadãos venezuelanos fazem fila em Doral, na Flórida, durante protesto contra o presidente Nicolás Maduro, dezembro de 2020

Em uma de suas últimas decisões no cargo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, concedeu nesta terça-feira (19) uma proteção de deportação de 18 meses aos venezuelanos que estão atualmente nos Estados Unidos devido à crise em seu país.

O presidente republicano concedeu o benefício da Saída Forçada Diferida (DED em inglês) aos venezuelanos diante da "deterioração da situação na Venezuela" provocada pelo "governo autocrático" de Nicolás Maduro, segundo um memorando publicado pela Casa Branca.

"Decidi que é do interesse da política externa dos Estados Unidos adiar a expulsão de qualquer cidadão venezuelano ou estrangeiro sem nacionalidade que tenha residido habitualmente na Venezuela", disse Trump.

O texto diz que terão direito ao DED quem estiver nos Estados Unidos ininterruptamente até 20 de janeiro de 2021, não tiver sido condenado por crime ou anteriormente expulso do país, ou representar risco à segurança pública, entre outras condições.

Trump também mandou autorizar o emprego no país dos venezuelanos enquanto durar o adiamento.

A medida foi impulsionada pelos aliados republicanos do presidente na Flórida, onde muitos venezuelanos se estabeleceram depois de fugir do colapso econômico e da crise política em seu país natal, governado por mais de duas décadas por um regime socialista.

O Miami Herald disse que a ordem pode beneficiar até 200.000 venezuelanos que vivem sob ameaça de detenção e deportação.

A Venezuela, que já foi uma potência petrolífera, vive um desastre econômico que se agravou desde que Maduro assumiu o poder em 2013, situação que levou à saída de mais de 5,4 milhões de pessoas do país, segundo a ONU.

ad/rsr/am