Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.943,00
    +46,41 (+0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Trump autoriza negociação, e TikTok consegue adiar veto nos EUA

Felipe Junqueira
·3 minutos de leitura

O TikTok conseguiu adiar temporariamente o veto do aplicativo nas lojas oficiais do Android e iOS. O acordo com Oracle e Walmart avança, e o presidente americano Donald Trump disse, no sábado (19), que aprova a negociação.

A data limite para a retirada do app de Play Store e App Store seria hoje (20), mas a ByteDance conseguiu mais uma semana para finalizar detalhes finais da negociação que vai criar a empresa TikTok Global. Oracle e Walmart ficarão responsáveis por 20% do investimento na nova companhia, o que permitirá a operação do aplicativo dentro dos Estados Unidos.

A ideia da negociação é que a Oracle, que fica com 12,5% das ações, fica responsável pelo serviço de nuvem da rede social, fornecendo e abrigando os dados da plataforma para diversos mercados, incluindo os EUA. O Walmart ficaria com a parte comercial, incluindo o e-commerce e a publicidade.

O Departamento de Comércio americano confirmou que o veto ao TikTok foi adiado em uma semana e, diferente do que foi noticiado durante a semana, a ByteDance vai se manter como dona majoritária do app no acordo aprovado “conceitualmente” por Trump. A ByteDance mantém 80% da companhia, mas 40% dela já é de investidores americanos, então o governo dos EUA está tecnicamente satisfeito.

“Dei minha bênção à negociação”, teria dito o presidente a repórteres, no sábado. “Se eles fecharem o acordo, está ótimo. Se não fecharem, também está tudo bem”, avaliou.

Ações na bolsa e vídeos educativos

O acordo inclui o pagamento de US$ 5 bilhões em taxas ao Tesouro dos Estados Unidos, e inclui o lançamento de uma plataforma de vídeos educacionais a ser administrada por Oracle, Walmart e investidores como Coatue e Sequoia. O conteúdo vai abordar matemática, leitura e ciência, além de engenharia da computação e outros assuntos avançados.

Segundo a Reuters, essa parte do acordo teria surpreendido a ByteDance, que disse nesse domingo (20) não ter conhecimento do plano educacional como exigência para que a negociação seja autorizada. Mas a empresa disse estar comprometida com questões educacionais.

A abertura de ações em uma bolsa de valores com sede nos EUA também faz parte do acordo autorizado por Trump, que ainda espera que a participação de acionistas de origem americana “aumente com o tempo”. Um IPO, ou oferta inicial de ações, a ser realizado pela nova companhia global já era esperado.

As negociações entre ByteDance, Oracle e Walmart seguem em andamento, e o novo prazo para o veto ao app termina em 27 de setembro. O TikTok já processou a administração Trump para tentar evitar a derrubada das lojas de aplicativos nos EUA, argumentando que a ordem executiva vai contra a Primeira Emenda à Constituição do país e que é motivada por questões políticas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: