Mercado abrirá em 2 h 22 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,32
    +0,56 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.801,20
    +4,90 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    62.678,54
    +1.596,47 (+2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.235,10
    +30,55 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.372,00
    +31,00 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5781
    -0,0027 (-0,04%)
     

TRT da 4ª Região reconhece vínculo trabalhista e condena Uber a pagar R$ 1 mi

·3 minuto de leitura

A 8ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 4ª Região, em Porto Alegre (RS), reconheceu existência de relação de emprego entre um motorista e a Uber do Brasil. O profissional foi dispensado sem justa causa pela empresa e ingressou com ação trabalhista para o reconhecimento do vínculo de emprego e o recebimento dos valores correspondentes.

Em primeira instância os pedidos foram julgados improcedentes, mas houve o reconhecimento da pessoalidade, da onerosidade e da não eventualidade. Segundo o desembargador Marcelo Ferlin D’Ambroso, que foi relator do recurso, bastaria analisar a presença da subordinação.

Como as atividades desenvolvidas pelo trabalhador promovem o objetivo social da empresa, ele aponta que há subordinação. O motorista usa recursos próprios (veículo, manutenção e combustível) para prestar o serviço porque essas condições são impostas pela Uber — então, isso não assegura independência na relação.

Imagem: Reprodução/Unsplash/Paul Hanaoka
Imagem: Reprodução/Unsplash/Paul Hanaoka

Além disso, a empresa define quem lhe presta serviços, por qual período e os motivos pelos quais pode excluir os parceiros da plataforma, bem como é responsável pela remuneração do trabalho. Ou seja, a "uberização" das relações de trabalho tem os mesmos elementos de uma relação de emprego.

Dumping social

A decisão esclarece que quem presta serviços para a Uber não tem escolha. “O motorista adere a uma modalidade de subordinação por evidente necessidade, em que a empresa possui poder controlador, fiscalizador e de comando suficiente para contar com uma prestação de trabalho humano altamente estabilizada e controlada”, diz o documento. Já há decisões semelhantes em países europeus.

Para D’Ambroso também está caracterizado o dumping social. Ele consiste "na prática reiterada pela empresa do descumprimento dos direitos trabalhistas e da dignidade humana do trabalhador”. Segundo o magistrado, isso reduz os custos de produção e resulta em concorrência desleal.

Além de causar danos aos motoristas parceiros, essa prática atinge a sociedade em geral. Por isso, D'Ambroso condenou a Uber a pagar indenização de R$ 1 milhão por dano social. O valor será revertido a entidade pública e/ou filantrópica a critério do Ministério Público do Trabalho.

O que diz a Uber

A Uber afirma que ainda não teve acesso à decisão, mas promete recorrer quando for informada sobre a sentença. “(...) representa um entendimento isolado e contrário ao de outros casos já julgados pelo próprio TRT e pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST)", destaca.

Imagem: Reprodução/Unsplash/Humphrey Muleba
Imagem: Reprodução/Unsplash/Humphrey Muleba

Segundo a empresa, seu recurso apresentará todos os fatos necessários para a anulação da autuação. "Nos últimos anos, as diversas instâncias da Justiça do Trabalho vêm construindo sólida jurisprudência confirmando o fato de não haver relação de emprego entre a Uber e os motoristas parceiros.”

Para a Uber, os parceiros “são profissionais independentes que contratam a tecnologia de intermediação digital oferecida pela empresa por meio do aplicativo”. “Os motoristas escolhem livremente os dias e horários de uso do aplicativo, se aceitam ou não viagens e, mesmo depois disso, ainda existe a possibilidade de cancelamento."

A companhia destaca, ainda, que o TST já afastou a hipótese de subordinação porque o motorista pode ligar e desligar o aplicativo quando quiser, bem como ficar à disposição de várias plataformas ao mesmo tempo. "Entendimento semelhante já foi adotado em outros dois julgamentos do TST em 2020 e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) desde 2019.”

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos