Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.050,87
    +2,58 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Troca de experiências por produtos beneficia varejistas dos EUA

Carolina Gonzalez
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Entradas para concertos dentro da meia de Natal e um roteiro de viagem debaixo da árvore? De forma alguma: estamos em 2020 e produtos estão outra vez na moda.

Embora gastos com experiências tenham sido moda nos últimos anos - o que levou vários varejistas a repensarem estratégias de negócios -, a Covid-19 interrompeu a tendência, confirmam dados da pesquisa de temporada de Natal da Deloitte.

O gasto médio de famílias nos Estados Unidos nesta temporada de festas deve cair 7% em relação a 2019, com queda de 34% dos gastos com viagens, que responderão pela maior parte da baixa, de acordo com Rod Sides, vice-presidente da Deloitte. Parte do dinheiro normalmente gasto fora de casa irá para compras que não sejam presentes, como móveis e decoração de temporada.

“Estamos vendo uma mudança em termos do que as pessoas estão comprando”, disse Sides. “As pessoas estão focadas no lar e um pouco mais em decoração. As viagens não ocupam o mesmo lugar do passado.”

A menor preferência por experiências ao longo da temporada é uma boa notícia para empresas como a varejista Bed Bath & Beyond, que divulgou recuperação das vendas neste verão, à medida que consumidores estocavam itens para casa. Pode até dar impulso para as lanterninhas do varejo, como Gap e TJX Cos., dona da Marshalls, que tiveram mais problemas para atrair clientes confinados em casa, que estão substituindo o guarda-roupa com muito menos frequência neste ano.

A mudança já era aparente nas vendas do varejo de setembro divulgadas na sexta-feira, que subiram no ritmo mais rápido em três meses. O ganho generalizado provavelmente reflete consumidores que aproveitaram economias e fundos de benefícios extras temporários de auxílio-desemprego, além do atraso nas compras de volta às aulas.

“Com menos gastos em serviços pessoais, como viagens e entretenimento fora de casa, parte desse dinheiro está sendo transferido para caixas registradoras de varejo”, disse o economista-chefe da Federação Nacional de Varejo, Jack Kleinhenz, em comunicado.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.