Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,59 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,48
    -0,28 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.820,40
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    20.303,38
    -481,36 (-2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,79
    -10,27 (-2,28%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.715,25
    -334,22 (-1,24%)
     
  • NASDAQ

    11.672,50
    -1,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5436
    -0,0005 (-0,01%)
     

Tripulação da Polaris Dawn segue treinamento intensivo para missão no fim do ano

Os quatro tripulantes da missão comercial Polaris Down, da SpaceX, estão passando por uma série de treinamentos para o primeiro voo espacial do programa, previsto para o fim deste ano. A bordo da nave Crew Dragon, estes astronautas realizarão o voo humano mais distante da Terra desde a missão Apollo 17, em 1972.

O programa Polaris é uma colaboração entre a SpaceX e o empresário Jared Isaacman, que também financiou e comandou, no ano passado, a primeira missão espacial totalmente tripulada por civis, a Inspiration4. Meses depois, Isaacman anunciou o novo programa, maior e com destinos mais ambiciosos.

Conceito artístico da primeira caminha espacial comercial que será realizada pelo programa Polaris (Imagem: Reprodução/Polaris Program)
Conceito artístico da primeira caminha espacial comercial que será realizada pelo programa Polaris (Imagem: Reprodução/Polaris Program)

Além de continuar arrecadando fundos para o St. Jude Children's Research Hospital, como fez com a Inspiration4, o programa Polaris pretende ampliar os limites dos voos espaciais realizando três missões tripuladas, todas financiadas pelo bilionário Isaacman.

Na primeira missão, a Polaris Dawn, Isaacman será o comandante e pilotará a Crew Dragon ao lado de Sarah Gillis, Anna Menon e Scott Poteet — Gillis e Menon são funcionárias da SpaceX. A segunda missão também usará uma nave Crew Dragon, mas espera-se que a terceira missão seja também o primeiro voo tripulado com a espaçonave Starship.

Missão Polaris Dawn

A missão Polaris Dawn pretender realizar a primeira caminhada espacial comercial e também alcançar a maior altitude orbital já alcançada por qualquer humano desde a missão Apollo 17 — cerca de três vezes mais distante que a Estação Espacial Internacional (ISS), que está a 400 km de altitude.

Em nota publicada no dia 9 de maio, o programa disse que a missão não irá acontecer antes do quarto trimestre deste ano. O lançamento será feito por um Falcon 9, a partir do Centro Espacial Kennedy da NASA, na Flórida.

O foguete colocará a espaçonave Crew Dragon em uma órbita elíptica inicial de 1.200 km por 190 km. Depois, a nave usará seus motores para atingir um apogeu (ponto mais distante da Terra) de 1.400 km e permanecerá nesta órbita por um tempo, até diminuir seu apogeu para 700 km.

Da esquerda para a direita: Anna Menon (especialista em missão e médica), Sarah Gillis (especialista em missão), Scott Poteet (piloto da missão) e Jared Isaacman (comandante da missão) (Imagem: Reprodução/Polaris Program)
Da esquerda para a direita: Anna Menon (especialista em missão e médica), Sarah Gillis (especialista em missão), Scott Poteet (piloto da missão) e Jared Isaacman (comandante da missão) (Imagem: Reprodução/Polaris Program)

A SpaceX precisou desenvolver seu próprio traje espacial para atividades extraveiculares (EVAs). A tripulação vestirá os novos trajes, a nave será despressurizada e dois astronautas sairão para realizar a primeira caminha espacial comercial.

Recentemente, a tripulação passou por um treinamento de mergulho na Califórnia, primeiro em uma piscina e depois no mar. O objetivo foi praticar os tipos de comunicação não-verbal necessárias em EVAs, técnicas de apoio aos colegas de equipe e as respostas do corpo associadas às mudanças de pressão.

Além disto, a equipe realizou uma extensa caminhada para o segundo pico mais alto do Equador, o vulcão Cotopaxi, com 5.897 metros de altura. Esta atividade exigiu que os tripulantes se adaptassem as diferentes altitudes e realizassem atividades básicas de montanhismo e travessia de geleiras.

Nos próximos meses, eles completarão extensas simulações com a nave Dragon, realizarão exercícios de centrífuga e receberão um treinamento médico prático para identificar quadros como a hipóxia (quando há pouco oxigênio no sangue).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos