Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,34
    -0,37 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.629,30
    -4,10 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    19.111,64
    +415,18 (+2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.315,50
    -61,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1797
    +0,0821 (+1,61%)
     

Tribunal europeu rejeita recurso do Google contra multa recorde

O Tribunal Geral da União Europeia (TGUE) rejeitou nesta quarta-feira (14) um recurso apresentado pelo Google contra uma multa recorde que foi imposta na UE por abuso de posição dominante de seu sistema operacional Android para celulares.

"Rejeitamos essencialmente a ação apresentada pelo Google", anunciou o Tribunal Geral da UE.

O tribunal considerou, no entanto, "adequado" reduzir o valor da multa, de 4,3 bilhões de euros para 4,125 bilhões.

Em nota, o Google expressou sua decepção com a decisão do TGUE de não anular a multa.

"Estamos decepcionados que o Tribunal não tenha anulado a decisão totalmente", afirmou a empresa.

Segundo o Google, o sistema Android "gerou mais opções para todos, e não menos, e fornece suporte a milhares de negócios de sucesso na Europa e em todo o mundo".

A multa continua sendo a maior da história da UE, apesar dos argumentos do Google de que o caso da Comissão era infundado e falsamente baseado em alegações de que forçou seu mecanismo de busca e navegador Chrome em telefones Android.

Em seu recurso, a empresa também insistiu que a UE estava cega para o caso da Apple, que impõe ou dá clara preferência a serviços próprios, como o navegador Safari nos iPhones.

O Google também argumentou que o download de aplicativos rivais estava a apenas um clique de distância e que os clientes não estavam vinculados de forma alguma aos produtos Android do Google.

A UE e os denunciantes responderam que o Google usou contratos com fabricantes de telefones nos primeiros dias do Android para esmagar seus rivais.

A decisão do Tribunal Geral não é necessariamente o fim da história. Ambas as partes podem recorrer ao mais alto tribunal da UE, o Tribunal de Justiça da União Europeia, para ter a palavra final sobre a multa.

O caso Android foi o terceiro de três grandes processos movidos contra o Google pela equipe da Comissária Europeia para Concorrência, Margrethe Vestager.

ahg/avl/aa