Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,27
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.774,90
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    34.768,84
    +1.102,79 (+3,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    838,12
    +51,50 (+6,55%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.351,50
    -2,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8600
    -0,0023 (-0,04%)
     

Tribunal dos EUA confirma condenação contra Monsanto sobre efeitos do glifosato

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O herbicida Roundup, que é alvo de milhares de ações judiciais nos EUA, em uma loja de Los Angeles, Califórnia, em 1º de setembro de 2019

Uma corte de apelações da Califórnia confirmou nesta sexta-feira (14) a condenação da Monsanto, do grupo alemão Bayer, no processo iniciado por um aposentado com câncer que atribui a doença ao uso do herbicida Roundup.

O tribunal de San Francisco se recusou a revisar o caso de Edwin Hardeman, conforme solicitado pela Bayer, e manteve a sentença que determina que o grupo pague 25 milhões de dólares em danos e juros ao homem.

Hardeman, que foi diagnosticado com linfoma não-Hodgkins em 2015, afirma que o uso regular do herbicida a base de glifosato causou a doença.

Os juízes "mantiveram a sentença do tribunal distrital em favor de Edwin Hardeman em sua ação alegando que o pesticida Roundup da Monsanto causou seu linfoma", diz a decisão, que lembra que "desde 2015, milhares de vítimas de câncer levaram a Monsanto à justiça tanto estadual quanto federal".

A decisão desta sexta observa que o tribunal distrital negou corretamente o recurso da Monsanto "já que as evidências mostraram que o risco carcinogênico do glifosato era conhecido no momento da exposição de Hardeman" ao produto.

Em um primeiro recurso em julho de 2019, a indenização para o homem afetado foi revisada para baixo. Uma condenação inicial em março de 2019 concedeu a ele 80 milhões de dólares, quantia que foi reduzida para 25 milhões, sendo 5 milhões como indenização e 20 milhões em danos punitivos.

Edwin Hardeman foi um dos primeiros a processar a Monsanto, apontando para o herbicida que usou por 25 anos em sua propriedade como cancerígeno e acusando o grupo Monsanto de enganar os usuários ao alegar que o glifosato era inofensivo.

A Monsanto sempre argumentou que nenhum estudo indicou a periculosidade do glifosato e do Roundup, que chegaram ao mercado na década de 1970. O grupo Bayer comprou a Monsanto em 2018 por 63 bilhões de dólares.

O grupo afirmou que ficou "decepcionado" com a decisão desta sexta e disse que seguirá considerando "todas as opções legais, incluindo levar o caso à Suprema Corte".

vmt/jul/els/mr/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos