Mercado abrirá em 8 h 44 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,32
    -0,04 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.837,70
    +7,80 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    36.755,77
    -183,83 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    722,45
    -12,70 (-1,73%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.514,01
    +651,24 (+2,26%)
     
  • NIKKEI

    28.603,85
    +361,64 (+1,28%)
     
  • NASDAQ

    12.891,50
    +89,25 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4060
    +0,0107 (+0,17%)
     

Tribunal condena 27 pessoas à prisão perpétua por tentativa de golpe na Turquia em 2016

·1 minuto de leitura
Policiais diante de tribunal em Ancara, em 26 de novembro de 2020

Um tribunal da Turquia condenou nesta quinta-feira 27 pessoas, a maioria oficiais e pilotos, à prisão perpétua pela tentativa de golpe de Estado de 2016 contra o presidente Recep Tayyip Erdogan.

Todos foram declarados culpados de "tentativa de derrubar a ordem constitucional, tentativa de assassinato do presidente e homicídios voluntários", segundo uma correspondente da AFP.

Entre as pessoas condenadas estão pilotos que bombardearam áreas emblemáticas da capital Ancara, como o Parlamento, e oficiais que lideraram a intentona a partir da base militar de Akinci.

Quatro civis, incluindo o empresário Kemal Batmaz, foram condenados a 79 sentenças de prisão perpétua com agravante.

A pena de prisão perpétua "com agravante" inclui condições mais rígidas de detenção e substituiu no código penal turco a pena de morte, abolida em 2004.

No total, 475 pessoas eram julgadas no processo, considerado o mais importante sobre a tentativa frustrada de golpe da madrugada de 15 para 16 de julho de 2016

Erdogan acusa o pregador Fethullah Gülen de ter planejado o golpe, mas este - um ex-aliado do presidente turco que mora nos Estados Unidos - nega qualquer envolvimento.

Desde a tentativa de golpe de Estado, as autoridades perseguem de forma incessante os partidários de Gülen e organizaram expurgos sem precedentes na história moderna da Turquia.

Dezenas de milhares de pessoas foram detidas e mais de 140.000 foram demitidas ou suspensas de seus cargos ou funções.

raz/gkg/ezz/bl/mar/fp