Mercado abrirá em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    113.583,01
    +300,34 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.598,53
    +492,82 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,12
    +0,67 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.733,30
    -18,70 (-1,07%)
     
  • BTC-USD

    41.891,26
    -1.911,20 (-4,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,85
    -63,66 (-5,78%)
     
  • S&P500

    4.443,11
    -12,37 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.869,37
    +71,37 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.034,98
    -28,42 (-0,40%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.944,50
    -250,25 (-1,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2872
    -0,0196 (-0,31%)
     

Treze anos, sete meses e alguns recordes: a jornada de Rayssa Leal, a mais jovem medalhista olímpica brasileira

·1 minuto de leitura

Parece que não foi há muito tempo que ocorreu a Olimpíada de Pequim, mas lá atrás, no ano de 2008, nascia uma pessoa que não demoraria muitos ciclos olímpicos até ingressar no principal torneio esportivo. Rayssa Leal, a “Fadinha do Skate”, de apenas 13 anos e 7 meses, fez história ao conquistar prata, se tornando a terceira medalhista mais jovem da história e a brasileira mais jovem a arrematar uma medalha.

Rayssa superou Rosangela Santos, até então, a mais jovem medalhista da história do país, que, em Pequim-2008, ganhou o bronze no revezamento 4×100 do atletismo aos 17 anos.

“Não existe futuro sem passado. Se eu estou aqui hoje, é porque o skate brasileiro tem história. Se eu estou aqui hoje, junto de outros 11 atletas, é por causa de todos os skatistas 'das antigas', que fizeram o nosso esporte chegar até aqui", escreveu ela em uma rede social.

Nascida na cidade de Imperatriz, no Maranhão, a skatista começou aos 7 anos e, atualmente, também carrega o título de brasileira mais jovem a representar o Brasil em uma Olimpíada; a marca anterior era da nadadora Talita Rodrigues, que tinha, na época dos Jogos de Londres, em 1948, quatro meses a mais do a Fadinha tem atualmente.

Alexandre Alliatti:A Fadinha é a fantasia que nos une

2019 foi um ano particularmente especial para ela: já vice-campeã mundial, ficou em primeiro lugar no campeonato Street League Skateboarding, em Los Angeles, na Califórnia, e, no fim do ano, ainda levou o bronze no Mudnial. Isso tudo com apenas 11 anos,

"Se uma menina de 13 anos vai representar o Brasil hoje, é por causa de mulheres skatistas que me inspiram, que me mostram que uma garota pode tudo", disse Rayssa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos