Mercado fechado

A treta continua: Texas anuncia processo antitruste multiestadual contra Google

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

O Google acaba de ganhar outra dor de cabeça para remediar: o estado do Texas acaba de anunciar a abertura de um processo antitruste contra a companhia, acusando-a de monopolizar o mercado de publicidade online. Embora detalhes da ação não tenham sido divulgados até o momento, Ken Paxton, advogado-geral do estado norte-americano, garantiu que contará com o apoio de outros governos ao redor do país.

"O Google usou seu poder monopolista repetidamente para controlar os preços e se envolver em conluios de mercado para fraudar leilões em uma tremenda violação da justiça. Se o livre mercado fosse um jogo de beisebol, o Google se posicionaria como o arremessador, o batedor e o árbitro”, afirmou Paxton, em um comunicado oficial publicado no perfil do Twitter do Escritório de Advocacia do Texas.

Ainda de acordo com Paxton, o processo tem como objetivo combater “as condutas anticompetitivas, as práticas exclusivistas e as declarações enganosas” do Gigante das Buscas, que possui posição de destaque no mercado de publicidade online. Mais detalhes devem ser revelados a partir do momento em que a ação passe pelo processo de arquivamento judicial, tornando seus documentos públicos para consulta.

"O monopólio do Google na indústria de publicidade e suas práticas comerciais enganosas sufocam a inovação, limitam a escolha do consumidor e reduzem a concorrência. O Texas e sua coalizão de estados-aliados trazem esta ação para levantar o véu sobre as práticas secretas do Google e garantir alívio para impedi-lo de se envolver em futuras práticas enganosas e enganosas", prossegue Paxton.

Vale lembrar que o Texas não é o único estado do país a criticar e mover ações contra gigantes da tecnologia; recentemente, o Facebook passou a ser investigado pela Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC, na sigla em inglês), junto com procuradores de outros 48 estados, também sobre práticas monopolistas. A acusação pode forçar Mark Zuckerberg a desmembrar o WhatsApp e o Instagram de sua rede social primária.

Embora tais iniciativas se foquem no mercado estadunidense, é importante frisar que suas consequências possivelmente serão sentidas em todo o mundo, já que as companhias em questão serão forçadas a reajustar suas estratégias de atuação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: