Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.594,10
    -3,19 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,99
    +3,73 (+5,63%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -4,70 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    49.191,24
    +270,77 (+0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.275,34
    +15,18 (+1,20%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.835,75
    +118,00 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4232
    +0,0279 (+0,44%)
     

Tratado como presidenciável, Pacheco se filia ao PSD

·2 min de leitura
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, se filia ao PSD durante evento em Brasília

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MG), participou nesta quarta-feira de cerimônia de filiação ao PSD, em evento em Brasília no qual foi tratado como o presidenciável da legenda para as eleições do próximo ano.

Na cerimônia, Pacheco não falou de candidatura ao Palácio do Planalto, mas fez um discurso claro para marcar posição e se colocar como diferente dos principais nomes apontados como concorrentes na eleição de 2022.

O presidente do Senado pregou união, afirmando que o país chegou ao "limite dos extremos".

"A gravidade do momento que assola nosso país nos impõe uma tomada de decisão. Decisão esta que não é contra quem quer que seja, mas a favor do Brasil e dos brasileiros. O caminho para solucionar as várias crises que estamos enfrentando é a união. Quando falamos em unirmos o país é porque chegamos ao limite dos extremos", disse Pacheco, que deixou o Democratas.

Pacheco defendeu a boa política e destacou que é preciso, urgentemente, retirar milhares de brasileiros da "miséria absoluta" em que vivem. "Não podemos tolerar que o nosso país, com a base agrícola, repleto de heróis do campo, tenha um cidadão sequer passando fome", disse.

O evento de filiação do senador foi realizado no Memorial JK, em Brasília, com a presença de parlamentares e dirigentes partidários de várias legendas. Em vários momentos, houve referências e comparações de Pacheco com o ex-presidente Juscelino Kubitschek.

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, disse que o presidente do Senado será presidenciável pela legenda.

"Ele não vai aqui evidenciar, até porque vai fazer uma reflexão, mas, em off, reservadamente, Rodrigo Pacheco vai ser nosso candidato a presidente do Brasil", afirmou.

Apesar do entusiasmo de Kassab, pesquisas ao Planalto tem apontado Pacheco com modestas intenções de voto ao cargo -- bem distante do presidente Jair Bolsonaro e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos