Mercado abrirá em 4 h 17 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,99
    +0,24 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.726,40
    -7,20 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    50.716,79
    +1.885,25 (+3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,84
    +28,75 (+2,91%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.688,61
    +74,86 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.183,25
    +128,00 (+0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Transportadoras dizem que não apoiam chamada de greve de caminhoneiros

·2 minuto de leitura
Caminhões em terminal do porto de Santos (SP)

SÃO PAULO (Reuters) - A Confederação Nacional do Transporte (CNT) afirmou nesta quinta-feira que não apoia o movimento de caminhoneiros autônomos que tenta articular uma greve da categoria no país a partir da próxima segunda-feira.

"Se houver algum movimento dessa natureza, as transportadoras garantem o abastecimento do país, desde que seja garantida a segurança nas rodovias", afirmou a entidade em curto comunicado à imprensa.

A instituição afirma que reúne 26 federações e quatro sindicatos nacionais, abrangendo 155 mil empresas.

Na véspera, o presidente Jair Bolsonaro apelou aos caminhoneiros para que não levem adiante a greve do setor e afirmou que o governo estuda alternativas para reduzir o PIS/Cofins para reduzir o preço do diesel, mas que a solução não é fácil.

Porém, nesta quinta-feira, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou que a ameaça de paralisação dos caminhoneiros, que conta com apoio dos petroleiros, não é problema da estatal, que segue praticando preços de paridade internacional. O preço do diesel é um dos principais pontos de queixa dos motoristas.

O chamado de greve, feito já há algumas semanas por entidades menores de caminhoneiros, ganhou adesão da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL), uma das principais entidades da categoria no país.

Mas o movimento mostra-se dividido, com a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) afirmando que o momento escolhido para a paralisação não é o melhor diante dos impactos da pandemia de Covid-19 pelo país e do cenário demandante de transporte gerado pela da safra de grãos do país. A CNTA, porém, afirma que "apoiará a decisão da maioria".

Em 2018, uma greve de caminhoneiros, que contou com apoio de empresários do setor de transportes, paralisou o país por 11 dias em maio, gerando impactos na economia que perduraram ao longo de todo aquele ano.

O movimento foi encerrado após o governo do presidente Michel Temer ceder à pressão dos motoristas e aceitar criar uma tabela de frete mínimo, que passou a enfrentar oposição do setor produtivo, com a disputa em torno da legalidade da criação da tabela ficando parada no Supremo Tribunal Federal desde então.

(Por Alberto Alerigi Jr.)