Mercado fechará em 5 h 58 min
  • BOVESPA

    112.523,43
    -1.270,85 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.943,45
    -248,88 (-0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,87
    -0,74 (-1,02%)
     
  • OURO

    1.749,60
    -7,10 (-0,40%)
     
  • BTC-USD

    47.253,77
    -207,75 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.201,45
    -24,08 (-1,96%)
     
  • S&P500

    4.451,02
    -22,73 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    34.657,55
    -93,77 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.023,26
    -4,22 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2779
    +0,0931 (+1,51%)
     

Transplante de fezes? Experimento com ratos reverte envelhecimento cerebral

·2 minuto de leitura

Quanto mais envelhecemos, mais lento o cérebro fica, sendo um processo que não tem como escapar. Porém, cientistas querem reverter essa condição natural, e testes com ratos já mostraram que é algo possível com a ajuda de uma prática já conhecida na medicina, que consiste no transplante de micróbios intestinais.

O processo foi feito, então, transferindo as fezes de ratos jovens para os roedores idosos. Sean Gibbons, um dos cientistas responsáveis pelo estudo, explica que os testes foram feitos com amostras fecais de camundongos com idades entre três e quatro meses, que equivalem a um jovem adulto humano, para animais que já tinham 20 meses de vida.

<em>Imagem: Reprodução/sipa/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/sipa/Pixabay

Então, os ratos idosos foram alimentados com uma pasta de fezes através de um tubo de alimentação, por um período de dois meses, duas vezes por semana. A fim de controle, os roedores velhos também receberam o transplante de outros da mesma faixa etária; e os animais mais jovens receberam de outros de idade semelhante. Os pesquisadores perceberam que os microbiomas intestinais dos ratos velhos que receberam o transplante dos jovens começaram a se parecer com os dos mais novos, como conta o estudo. O Enterococcus, por exemplo, o micróbio intestinal mais comum, ficou muito mais abundante.

Mudanças também foram vistas no cérebro, com o hipocampo dos ratos idosos, região cerebral de aprendizado e memória, que ficou não só quimicamente mais parecido com os dos mais novos, como também fisicamente. Esses animais conseguiram resolver labirintos mais rápidos e memorizá-los, por exemplo, algo que os roedores velhos que recebem transplante de outros mais velhos não conseguiram.

<em>Enterococcus (Imagem: Reprodução/CDC/Dr. Mike Miller)</em>
Enterococcus (Imagem: Reprodução/CDC/Dr. Mike Miller)

Algumas coisas não mudaram, no entanto, como contam os cientistas, como as bactérias intestinais. Além disso, os ratos idosos não se tornaram mais sociáveis. Os pesquisadores dizem que ainda não há como saber se esses novos micróbios se instalaram nos animais mais velhos de forma definitiva ou se eles ficaram por lá temporariamente.

Mais estudos precisam ser feitos para comprovar a eficácia do transplante para talvez, um dia, serem realizados com adultos e trazerem novas respostas. A pesquisa está disponível para consulta na revista Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos