Mercado fechará em 3 h 2 min
  • BOVESPA

    120.452,36
    +390,37 (+0,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.968,16
    +100,54 (+0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,61
    +0,26 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.780,80
    -12,30 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    54.970,65
    -1.181,74 (-2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.288,38
    +45,32 (+3,65%)
     
  • S&P500

    4.179,40
    +5,98 (+0,14%)
     
  • DOW JONES

    34.125,87
    -11,44 (-0,03%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.936,00
    +16,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5923
    -0,1097 (-1,64%)
     

Transmissão da Covid-19 no Brasil explode e país pode ter 15.400 mortes nesta semana

·1 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Andre Penner
Foto: AP Photo/Andre Penner

O Brasil vive o pior momento da pandemia do novo coronavírus e os números provam isso. Além dos registros de casos e óbitos aumentando em todo o país, o Imperial College de Londres divulgou nesta terça-feira (16) que a taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil subiu e agora é de 1,23.

O número mais recente representa um aumento expressivo em comparação ao relatório divulgado há duas semanas, quando o índice era de 1,13.

Leia também:

Para entender melhor, há o seguinte parâmetro: com uma taxa acima de 1, a doença é considerada "sem controle". Esse é um dos principais índices para mensurar o tamanho da emergência sanitária em países ao redor do mundo. Com a taxa abaixo de 1, a tendência é uma queda de casos e mortes. 

Com 1,23, o Brasil tem o seguinte quadro: 100 pessoas contaminadas transmitem a doença para outras 123, dando uma medida da escalada da crise por aqui.

O Imperial College de Londres traz outro índice pessimista para os brasileiros. No levantamento, há uma projeção de 15.100 mortes por Covid-19 no país nesta semana. Na última semana, a universidade registrou 12.335 óbitos no Brasil. Segundo o documento, o cenário mais pessimista traz 15.400 mortes em 7 dias. 

Em meio a esse quadro dramático, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou Marcelo Queiroga, médico cardiologista, como o quarto ministro da Saúde de sua gestão. O substituto do general Eduardo Pazuello, no entanto, descartou a possibilidade de um "lockdown" nacional