Transmissão faz País perder energia, diz estudo

O Brasil desperdiça grandes quantidades de energia elétrica por problemas no sistema de transmissão, com perdas que chegam a 20%. Essa falha penaliza diretamente o consumidor, gerando aumento de tarifas. Esse é um dos problemas apontados na segunda edição do estudo O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios, lançado nesta segunda-feira em São Paulo. O trabalho foi realizado pelo Instituto Socioambiental (ISA), Amigos da Terra - Amazônia Brasileira, Greenpeace Brasil, International Rivers - Brasil, Amazon Watch e WWF Brasil. O trabalho indica, ainda, que o Brasil utiliza 8% da energia gerada para exportar produtos de baixo valor agregado.

O estudo aponta que as perdas na distribuição do setor elétrico somavam 20,28% no Brasil (considerando perdas técnicas e comerciais), conforme dados de 2004. O trabalho indica que na Colômbia as perdas chegavam a 11,5% e a 9,9% na Argentina. Mas o estudo vai além da análise sobre as perdas na distribuição. Aponta uma série de problemas no setor elétrico, com críticas à intensificação da geração hídrica. Também apresenta sugestões, principalmente na ampliação da geração com fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

"Até 2020, o setor de petróleo e gás receberá R$ 590 bilhões e a construção de hidrelétricas terá R$ 190 bilhões em investimentos do governo federal, enquanto a eficiência energética não tem um valor definido", cita o estudo. "Este desequilíbrio nos investimentos públicos contribui para a falta de competitividade da produção industrial brasileira, entre outros efeitos negativos."

No caso dos complexos hidrelétricos de Belo Monte, no rio Xingu, e do Tapajós, o trabalho usa o termo "inviabilidade" para ambos os empreendimentos, por causa de questões como tempo de construção, custos, emissões de carbono e preço de mercado dos créditos de carbono. "O resultado serão aportes extraordinários para a implantação dos projetos na forma de renúncia fiscal, subsídios cruzados e participação de empresas estatais e fundos de pensão cujas orientações de investimento sejam, de alguma maneira, influenciadas pelo Executivo federal, como já ocorre com Belo Monte", cita o estudo.

Jazidas de megawatts

"Verifica-se que é efetivamente o território da bacia amazônica que vai sofrer a pressão do capital internacional e brasileiro para transformar seus rios em jazidas de megawatts", cita o estudo. Além disso, o estudo informa que parcela da energia gerada deixa o País, na forma de produtos de baixo valor agregado. "Cerca de 8% da energia elétrica consumida no Brasil deixa o País incorporada no minério de ferro, em produtos siderúrgicos, nos lingotes de alumínio, nas ligas de ferro e no papel e celulose, que são exportados com baixo valor agregado, pouca geração de empregos e elevado custo socioambiental."

Em sentido inverso, o trabalho mostra que fontes renováveis poderiam suprir a demanda por energia, mas alega que o potencial de energia solar e eólica está menosprezado nas políticas públicas. "O País tem o potencial para se tornar a primeira grande economia a ter toda a sua matriz energética proveniente exclusivamente de fontes renováveis e limpas - a energia solar sozinha seria capaz de atender a cerca de dez vezes toda a demanda do país e a eólica poderia atender ao triplo da demanda atual de eletricidade", cita o trabalho. O estudo destaca, ainda, a importância do aproveitamento da biomassa da cana-de-açúcar para cogeração de energia elétrica.

No caso da energia eólica, o estudo indica que o potencial inexplorado é de 300 gigawatts (GW), quase três vezes o total da capacidade instalada atualmente no País. "Entretanto, a ausência de uma política consistente de incentivos para a inovação tecnológica e ampliação de escala, assim como entraves de regulamentação, representam obstáculos para o efetivo aproveitamento das enormes oportunidades para a expansão da energia solar e eólica no Brasil", cita o trabalho.

O estudo alerta, entretanto, que as recentes mudanças nas políticas do governo em relação à energia solar, combinadas à queda dos preços dos recursos tecnológicos para a produção de energia solar e eólica, poderão estimular o acréscimo no investimento do Brasil em energia renovável. Entre os autores dos textos apresentados estão o professor e pesquisador do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (IEE/USP), Célio Bermann; e Wilson Cabral de Sousa Júnior, doutor em Economia Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas e professor associado do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). A íntegra do estudo está disponível na internet (internationalrivers.org/node/7525).

Carregando...