Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,07
    -0,08 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.814,70
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.876,71
    +1.493,07 (+3,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,06
    +50,30 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.080,75
    +7,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1183
    -0,0472 (-0,77%)
     

Transformação digital tem sido cada vez mais rápida, mas traz consigo exigências

·3 minuto de leitura

À medida que a força de trabalho passou a conter cada vez mais nativos digitais completos, foi preciso analisar e compreender que esses profissionais definirão todo um novo modo de aplicar a tecnologia em diversas esferas da vida. Antes, para esses usuários, ela era uma ferramenta de distração e uso casual, que proporcionava entretenimento e aproximação para comunidades ao redor de todo o mundo. Daqui para frente, os meios tecnológicos serão cada vez mais usados no trabalho, para aumentar a produtividade e possibilitar novas formas de desenvolvimento.

Estes profissionais modernos não se contentam mais em lidar com tecnologia de baixo desempenho ou dispositivos desatualizados, mas sim, exigem e necessitam para suas atividades equipamentos poderosos e flexíveis, que permitam trabalhar e realizar diversas atividades ao mesmo tempo em qualquer lugar. Caso o aparelho opere em alta performance, é melhor ainda.

De acordo com o relatório de McKinsey “Transformações digitais no Brasil: insights sobre o nível de maturidade digital das empresas no país”, três setores empresariais apresentaram pontuação superior aos demais na Pesquisa A&DQ Brasil: serviços financeiros, varejo, e telecomunicações e tecnologia, enquanto bens de consumo, transporte e infraestrutura, indústria de base e indústrias avançadas contam com notas bastante inferiores. O relatório analisou diversas ferramentas relacionadas à digitalização, como processos, conectividade, entre outros, e apontou uma série de ações que empresas podem então aplicar para aprimorar o sucesso das transformações digitais. Duas delas, que estão dentro da dimensão de “Organização”, são “Garantir a responsabilização pela transformação” e “digitalizar ferramentas e processos de trabalho de uso diário”, ampliando assim, a tomada de decisões baseadas em dados, por exemplo.

Neste sentido, uma das exigências trazidas por essa aceleração da transformação é a renovação constante dos equipamentos tecnológicos e softwares das empresas. Se considerarmos ainda os momentos de crise, onde o uso da tecnologia é ainda mais impulsionado, essa pressão fica ainda mais nítida, já que a demanda pelo digital é enorme, mas torna-se difícil realizar grandes investimentos para atendê-la.

Entretanto, é interessante levar em consideração que esta renovação tecnológica traz outros benefícios que não englobam apenas a eficiência no campo digital propriamente dito. Ela é na verdade uma peça-chave para redução de custos, uma vez que equipamentos antigos aumentam os custos de manutenção e atualização, não permitem a otimização de processos e tarefas, além de poder causar downtime e falhas de segurança.

Este último tópico, aliás, é crucial quando mencionamos um mundo tão digitalizado, que cada vez mais contará com inteligência artificial, operações em nuvem, e ao mesmo tempo, tem promovido constantes debates sobre uso e proteção de dados, tanto individuais quanto corporativos. Um estudo afirma que 60% das empresas encerram suas atividades dentro de seis meses após serem vítimas de uma violação de dados ou ataque cibernético, de acordo com o CimTrak. Ou seja, apenas um pequeno erro no sistema de segurança de uma empresa pode gerar perdas catastróficas para o negócio.

Além de perdas financeiras, a transformação digital deve levar em consideração a economia de energia. Esta é uma via de mão dupla, já que um equipamento atualizado ajuda a gastar menos conta de luz, por exemplo, e contribui para um uso mais sustentável da tecnologia. Daqui a alguns meses, em julho, a ONU promoverá mais uma edição do Fórum Político de Alto Nível, que focará na recuperação sustentável pós-pandemia da Covid-19 e a contribuição para a realização da Agenda 2030. Para a tecnologia, empresas então deverão investir para oferecer soluções que contem com melhores condições de sustentabilidade, incluindo economia de energia, redução na emissão de poluentes e descarte de materiais tóxicos.

O relatório de insights da McKinsey aponta que “o sucesso da transformação digital de uma empresa será determinante para sua permanência no mercado brasileiro atualmente e no futuro”, e eu não poderia concordar mais, acrescentando ainda não apenas a permanência, mas a competitividade, seja com pequenos, médios ou grandes players. Diante desse cenário, é possível identificar inúmeras estratégias e oportunidades a serem aplicadas. Compreender as necessidades do negócio e realizar investimentos precisos serão a chave para colher bons frutos para a empresa e na contribuição ao próprio mercado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos