Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.529,07
    +495,80 (+2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Transferência de planos da Amil causa problemas a vários clientes

·2 min de leitura
UnitedHealth, dona da Amil e da APS, teria desembolsado R$ 3 bilhões para capitalizar a operadora paulista (REUTERS/Ricardo Moraes)
UnitedHealth, dona da Amil e da APS, teria desembolsado R$ 3 bilhões para capitalizar a operadora paulista (REUTERS/Ricardo Moraes)
  • ANS autorizou mudança a partir do dia 1º de janeiro de 2022

  • Problemas aconteceram no momento em que clientes tentam realizar exames de rotina

  • APS viu seu número de clientes crescer 3.181% com transferência de planos

A transferência de beneficiários dos planos individuais e familiares da Amil para a APS (Assistência Personalizada à Saúde) está dando o que falar. Afinal, depois de a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) autorizar tal mudança de forma parcial para o dia 1º de janeiro de 2022 - com o argumento de que ambas as empresas fazem parte do mesmo grupo econômico, garantindo assim a manutenção dos agendamentos e autorizações em curso - as reclamações começaram. Para os consumidores, muitos foram descredenciados de clínicas e laboratórios pela Amil sem aviso prévio.

Leia também:

Notificação do Procon-SP

De acordo com Fernando Capez, presidente do Procon-SP, o órgão - juntamente com o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) - já notificou a Agência Nacional de Saúde Suplementar, a Amil e a APS para que se saiba quais medidas foram adotadas neste processo. É importante lembrar que, somente nos três primeiros dias do ano, foram contabilizadas cerca de 46 queixas sobre essa transferência dos 337.459 contratos de planos de saúde individuais.

Problemas com a mudança

De acordo com algumas fontes ouvidas pelo jornal Extra, os principais problemas aconteceram no momento em que os clientes foram tentar realizar exames de rotina - e tiveram seus pedidos recusados (em locais que, antes, faziam isso de forma rotineira). Uma das respostas para isso pode ser, em partes, o grande aumento na demanda de serviços da APS. Afinal, a empresa sediada em Jundiaí, interior de São Paulo, possuía pouco mais de 11 mil usuários antes da transferência. Estando, agora, com quase 350 mil - o que representa um aumento de mais de 3.181%.

Manutenção dos contratos

Ao autorizar a transferência dos planos - e o processo de alienação dessas carteiras -, a ANS ressaltou que seria necessário a manutenção das condições dos contratos, inclusive o valor da mensalidade e as regras de reajuste dos planos antigos. Também é válido lembrar que a UnitedHealth, dona da Amil e da APS, teria desembolsado R$ 3 bilhões para capitalizar a operadora paulista, numa operação associada ao veículo de investimento Fiord Capital. Segundo a agência, as reclamações feitas pelos usuários estão sendo apuradas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos