Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,60
    -1,07 (-1,71%)
     
  • OURO

    1.784,20
    +5,80 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    54.387,59
    -1.475,59 (-2,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.239,72
    +5,30 (+0,43%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.883,79
    +23,92 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.765,00
    -29,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6676
    -0,0349 (-0,52%)
     

Transferência de dinheiro no WhatsApp: agora é pra valer

Marcus Couto
·3 minuto de leitura
WhatsApp. (Foto: Tom Weller/DeFodi Images via Getty Images)
WhatsApp. (Foto: Tom Weller/DeFodi Images via Getty Images)
  • Banco Central brasileiro liberou função de pagamentos via WhatsApp

  • Visa e Mastercard serão as bandeiras usadas no programa.

  • WhatsApp disse que vai liberar função em breve para seus usuários.

Depois de um longo período de análises, que incluiu nove meses de estudos realizados pelo Banco Central, os técnicos do BC finalmente liberaram que o Facebook siga em frente com seu projeto de transformar o WhatsApp numa ferramenta onde usuários podem enviar e receber transações financeiras.

Leia também:

Ou seja, você poderá em breve, assim que o Facebook liberar a funcionalidade, trocar dinheiro com outros usuários, sejam amigos, familiares ou terceiros, a partir do mais popular dos apps de troca de mensagens instantâneas.

Lembrando que o WhatsApp é um dos aplicativos que integram as propriedades do Facebook, junto do Instagram.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

As transações serão realizadas por meio de parcerias com duas das maiores bandeiras de cartões de crédito: Visa e Mastercard.

"Esses arranjos e instituição de pagamentos têm relação com a implementação do programa de pagamentos vinculado ao serviço de mensagem instantânea do WhatsApp (Programa Facebook Pay)”, informou em nota o Banco Central. “As autorizações permitem que ele seja utilizado para realizar a transferência de recursos entre seus usuários.”

As informações são da Folhapress.

Outras instituições que fizeram parte do anúncio original do Facebook, como Cielo, Banco do Brasil e Nubank, não foram citadas na nota do Banco Central.

Restrições

O BC ainda analisa funcionalidades de compra pelo aplicativo, e essa possibilidade ainda não foi liberada para implementação pelo Facebook.

No ano passado, quando anunciou que bloquearia os pagamentos por WhatsApp para mais estudos, o BC citou um suposto perigo de a funcionalidade gerar desequilíbrios no mercado brasileiro, por conta do porte do WhatsApp, considerando número de usuários.

Agora, aparentemente, a autarquia vê vantagens: "O BC acredita que as autorizações concedidas poderão abrir novas perspectivas de redução de custos para os usuários de serviços de pagamentos", disse.

Em nota, o WhatsApp afirmou estar ciente da liberação, e que trabalhará para acionar a nova função o mais breve possível para seus usuários.

Questões de privacidade

A notícia chega ao mesmo tempo em que o WhatsApp passa por outra batalha: convencer seus usuários e o público em geral de suas novas regras de privacidade, que darão mais acesso a dados.

O WhatsApp voltou a esclarecer que isso não acontece, pois as conversas seguem criptografadas (codificadas). A exceção é no caso de comunicação com contas corporativas, de empresas, como lojas – nesse caso, não há criptografia.

Além disso, o WhatsApp compartilhou algumas outras informações que serão capturadas dos usuários, entre elas: carga da bateria, operadora de celular, força do sinal da operadora e os chamados “identificadores” que permitem cruzar informações das contas do Facebook, Messenger e Instagram.

Assim, o Facebook “calibra” melhor sua máquina de publicidade.

As mudanças passam a valer a partir de 15 de maio; quem não concordar, deverá parar de usar o app.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube