Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,57
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.753,80
    -41,00 (-2,28%)
     
  • BTC-USD

    47.582,29
    -638,74 (-1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.209,85
    -23,43 (-1,90%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.505,50
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1855
    -0,0105 (-0,17%)
     

Transferência de veículos poderá ser feita de forma totalmente digital

·2 minuto de leitura

Mais uma função foi adicionada à Carteira Digital de Trânsito (CDT): agora, vai ser possível fazer a Autorização para Transferência de Propriedade do Veículo (ATPV-e), a versão digital do Documento Único de Transferência (DUT), diretamente pelo aplicativo. A solução foi desenvolvida pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) para o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

A CDT guarda os dados da carteira de motorista e do documento de veículos que estejam no nome do condutor. Segundo o Ministério da Infraestrutura, por enquanto a transferência eletrônica só está disponível para veículos que tenham documentos emitidos a partir de 1º de janeiro de 2021.

Imagem: Divulgação/Serpro
Imagem: Divulgação/Serpro

A operação usa a assinatura eletrônica avançada, que dispensa o reconhecimento de firma em cartório — ela está disponível para as contas Prata e Ouro cadastradas na plataforma gov.br (que reúne os serviços digitais do governo federal). O sistema, então, verificará a identidade digital do proprietário. Isso é possível porque o documento do veículo já está armazenado digitalmente no aplicativo.

Assinatura eletrônica

Na primeira versão da função, só será possível vender veículos de pessoas físicas para estabelecimentos comerciais integrados ao Registro Nacional de Veículos em Estoque (Renave). Além disso, a assinatura eletrônica da ATPV-e só é possível se o Departamento de Trânsito (Detran) de jurisdição do veículo estiver integrado ao Renave, que conecta os sistemas dos estabelecimentos às bases de dados do Denatran e da Receita Federal. “Atualmente, fazem parte do Renave os Detrans de Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Goiás e Mato Grosso”, informa o ministério.

Essa modalidade de transferência elimina a necessidade de despachantes, cartórios e outros intermediários. O próprio sistema fará a transferência eletrônica de propriedade, bem como a escrituração eletrônica de entrada e saída de veículos do estoque de concessionárias e revendedoras.

Imagem: Reprodução/Wisconsinart
Imagem: Reprodução/Wisconsinart

Dessa forma, assim que o estabelecimento avisar, pelo Renave, que o proprietário deseja transferir o veículo, ele receberá um comunicado na central de mensagens da CDT. Em seguida, pode fazer a assinatura digital no documento. A autenticação dessa assinatura ocorre a partir do login na conta gov.br.

O sistema verifica, ainda, nas bases de dados do governo, se há impedimento para a transação. No caso de o veículo ser entregue para estabelecimento integrado ao Renave não será mais necessário fazer a comunicação de venda. Isso porque quando for registrada a entrada do veículo no estoque do estabelecimento comercial, todas as infrações de trânsito serão autuadas sob a responsabilidade da loja que adquiriu o veículo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos