Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.269,86
    +410,99 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.915,52
    +309,96 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,64
    +2,15 (+3,09%)
     
  • OURO

    1.786,80
    +7,30 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    50.326,29
    +1.335,08 (+2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.296,85
    -24,42 (-1,85%)
     
  • S&P500

    4.673,86
    +82,19 (+1,79%)
     
  • DOW JONES

    35.627,40
    +400,37 (+1,14%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.275,75
    +433,00 (+2,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3411
    -0,0825 (-1,28%)
     

Transexual é morta em travessa da avenida Indianópolis, em SP

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma transexual foi encontrada morta durante a madrugada deste sábado (23), nas imediações da avenida Indianópolis, no Planalto Paulista (zona sul de São Paulo).

A região é conhecida como um tradicional ponto de prostituição da noite paulistana, que reúne entre as profissionais do sexo mulheres, transsexuais e travestis.

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública), policiais militares patrulhavam o bairro quando foram acionados para atender uma ocorrência de agressão na alameda dos Uapês.

No local, encontraram a vítima no chão e com sangramento pelo corpo. Ao Agora, a PM afirmou ter sido acionada às 3h06, e, no local apontado encontraram uma pessoa ferida por arma branca. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado e constatou a morte no local. Ela não havia sido identificada até a conclusão deste texto.

Garotas de programa que atuam na região dizem que a transexual foi esfaqueada e jogada para fora de um carro. O caso foi registrado no 16° DP (Vila Clementino), mas será investigado pelo DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).

Ação judicial Descontentes com o movimento de prostituição na região, uma associação que representa moradores e comerciantes de condomínios entrou na Justiça em fevereiro deste ano para que a Prefeitura de São Paulo regulamente o trabalho de garotas de programas na capital paulista.

A principal intenção é frear uma possível desvalorização imobiliária em regiões como Planalto Paulista e Moema, ambas na zona sul, e Butantã, na zona oeste, além de amenizar incômodos a vizinhos de pontos de prostituição.

Na ação, a Acresce (Associação dos Condomínios Residenciais e Comerciais) pede para que, com a regulamentação da profissão, a prefeitura passe a fiscalizar o trabalho de garotas de programa.

Segundo informações do site do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), o processo já teve manifestação do Ministério Público Esadual e desde o dia 21 deste mês aguarda julgamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos