Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.977,95
    +183,62 (+0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Transações via Pix podem equivaler a 36% do PIB em 2024, diz EY

PAULA SOPRANA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O volume de transações pelo Pix poderá alcançar o equivalente a cerca de 36% do PIB brasileiro em 2024, segundo projeção da consultoria EY para o novo sistema de pagamento instantâneo. A análise é baseada na experiência de Suécia, Austrália, Reino Unido e Índia, que já aderiram à modalidade. No estudo, os cenários de penetração do Pix foram divididos em conservador, moderado e agressivo, e estimam quantias entre R$ 230 bilhões e R$ 620 bilhões para as transações nos primeiros dois anos de implementação. Nos três cenários, houve queda acentuada dos pagamentos com papel moeda e cheque no país. Para Henrique Gallotti, um dos elaboradores do estudo, o Brasil deve seguir a projeção mais agressiva e se equiparar à Austrália. O país é o mais recente do grupo analisado a adotar o sistema, operante há três anos. Isso porque, segundo ele, a adoção do pagamento instantâneo em meio à disseminação mais acentuada do smartphone e de outras tecnologias pode favorecer seu uso.​ O volume financeiro usado pela consultoria tomou como base o valor transacionado pelos métodos de cartão de crédito, débito, saque e cheque, e não considerou transferência de crédito.