Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.058,38
    +124,21 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Trainee só para negros não é discriminatório, decide Justiça em ação de R$ 10 milhões

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A 15ª Vara do Trabalho de Brasília (DF) decidiu nesta quinta (3) que o programa de trainee exclusivo para candidatos negros realizado pelo Magazine Luiza desde 2020 não é discriminatório.

"Ao contrário, demonstra iniciativa de inclusão social e promoção da igualdade de oportunidades", escreveu a juíza do trabalho substituta Laura Ramos Morais, na decisão.

A ação civil pública foi iniciada pela DPU (Defensoria Pública da União) em outubro de 2020, alguns dias depois de a varejista anunciar que apenas candidatos negros seriam aceitos em seu programa, e pedia R$ 10 milhões em indenização por dados morais.

O defensor público da União Jovino Bento Junior, que assinou a ação contra a iniciativa, chamou o programa de "marketing da lacração", que tem "por objetivo não só o ganho político, mas também a ampliação dos lucros e faixa de mercado da empresa."

No pedido, defendeu que a medida gerava a exclusão de outros grupos de trabalhadores -como mulheres, asiáticos, indígenas e estrangeiros (ele citou, segundo a juíza, venezuelanos que vivem no Brasil).

A DPU foi procurada, mas ainda não respondeu. Cabe recurso à decisão.

O Magazine Luiza diz, em nota, que sempre esteve convicto da legalidade e legitimidade do seu programa de trainee exclusivo para negros. A decisão, segundo a rede de lojas, "é de extrema relevância, pois dá ainda mais segurança jurídica para que outras empresas também promovam ações afirmativas de natureza semelhante."

O MPT (Ministério Público do Trabalho) afirmou, em parecer, que a "defesa dos interesses da população branca ou de outros grupos não contemplados pelo processo seletivo" não integravam as atribuições constitucionais da DPU.

Defendeu também que a ação contra o programa de trainee era um "agir isolado" do defensor público.

O programa de trainee exclusivo para negros do Magazine Luiza atraiu atenção -e alguma oposição desde o anúncio. Na primeira edição, 22 mil recém-formados se inscreveram e 19 foram selecionados. Na mais recente, 10 viraram trainees da rede, entre 15 mil inscritos.

Depois dele, outras empresas como Bayer, Dow e Folha de S.Paulo também realizaram treinamentos exclusivos para candidatos negros.

A juíza do trabalho Laura Ramos Morais escreveu na decisão que negou o pedido contra o trainee que o Brasil promulgou, em janeiro deste ano, a Convenção Interamericana contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância.

A convenção define que medidas especiais e ações afirmativas "não constituirão discriminação racial, desde que essas medidas não levem à manutenção de direitos separados para grupos diferentes e não se perpetuem uma vez alcançados seus objetivos."

Para a magistrada, o programa de trainee está protegido pela convenção, pela Constituição Federal, pelo Estatuto da Igualdade Racial (lei nº 12.288/10) e pela jurisprudência do STF (Supremo Tribunal Federal).

Defensor pediu afastamento do cargo e proteção O defensor público Jovino Bento Júnior chegou a pedir afastamento do cargo após relatar ter sido ameaçado, mas o pedido foi negado. Ele afirmou à DPU (Defensoria Pública da União) ter sido ameaçado em decorrência da proposição da ação. Em uma mensagem enviada a ele, afirma, um homem dizia que iria "descarregar duas pistolas na cabeça" do defensor.

A decisão do defensor de contestar a legalidade do trainee da rede varejista gerou reações entre os colegas de instituição. A Anadef (Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais) divulgou nota defendendo a promoção de ações afirmativas como instrumentos para a prevalência de direitos e liberdades.

A Defensoria Pública da União afirmou que a atuação dos defensores públicos federais se baseia no princípio da independência funcional. "Por isso, não depende de prévia análise de mérito ou autorização hierárquica superior."

A DPU diz ainda que é comum que membros da instituição atuem em um mesmo processo judicial em polos diversos e contrapostos e, por isso, é fundamental o respeito à pluralidade de pensamentos e à diferença de opiniões.