Mercado abrirá em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,95
    +0,77 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.744,60
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    64.518,85
    +3.808,58 (+6,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.393,87
    +99,88 (+7,72%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.890,84
    +0,35 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    28.874,62
    +377,37 (+1,32%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.987,50
    +11,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8422
    +0,0110 (+0,16%)
     

Tragédia no Ninho: auditoria conclui que Flamengo paga a familiares 'um valor superior' aos padrões da Justiça

LANCE!
·1 minuto de leitura


A maior tragédia envolvendo o Flamengo completa 26 meses nesta quinta-feira (8). E, através das redes sociais, Rodrigo Dunshee, vice-presidente geral e jurídico do clube, trouxe o assunto à tona e externou que a Ernst & Young, empresa de auditoria, fez uma avaliação positiva dos valores oferecidos às famílias das vítimas no incêndio no Ninho do Urubu - foram dez fatais.

- Nota da E. Young no Balanço auditado do Fla: "O Flamengo ofereceu aos familiares um valor superior ao que a justiça brasileira costuma determinar em casos como este, e 24,5 famílias, dos 26 atingidos pela tragédia, já entraram em acordo, no que diz respeito a indenizações" - postou Dunshee no Twitter, completando:

- Nem eu sabia o que a gigante mundial da auditoria havia comentado sobre os acordos e fiquei feliz de ver que, tecnicamente, acabou fazendo um reconhecimento do trabalho feito mesmo com pandemia, perdas enormes de receita, basta ver a folha 53 do balanço. Seguiremos até o fim.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em janeiro deste ano, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou Eduardo Bandeira de Mello, ex-presidente do Flamengo, e outras dez pessoas (incluindo dois funcionários atuais), que podem responder por crime de incêndio culposo (quando não há intenção), por conta dos dez jovens que morreram, e lesão corporal grave - pelos três que sobreviveram.

+ Veja a tabela e o regulamento do Cariocão 2021

Ainda não há condenação pela tragédia.