Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.961,56
    -1.357,84 (-2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Trafigura espera preços mais altos para petróleo e gás

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Trafigura, uma das maiores tradings de commodities do mundo, prevê preços globais mais altos do petróleo e do gás no inverno do hemisfério norte e nos meses seguintes devido à oferta apertada e rápido crescimento da demanda.

Most Read from Bloomberg

“Veremos preços do petróleo mais altos”, disse Ben Luckock, corresponsável de comércio de petróleo da Trafigura, em entrevista.

Luckock disse que o mercado não estava precificando corretamente os contratos futuros de petróleo para os próximos dois anos porque operadores ainda não haviam acordado para o fato de que o equilíbrio entre oferta e demanda permanecerá apertado por algum tempo.

“O petróleo diferido, principalmente para dezembro de 2022 e 2023, está barato”, disse. O petróleo Brent para entrega em dezembro de 2022 é negociado aproximadamente a US$ 70 o barril, mas Luckock disse que não ficaria surpreso se o Brent subisse para cerca de US$ 100 o barril até lá.

“É difícil não ver preços mais altos nos próximos dois anos”, afirmou.

Na segunda-feira, o petróleo Brent para entrega imediata chegou a atingir US$ 80 o barril, a cotação mais alta em quase três anos.

A Trafigura é a segunda maior operadora independente de petróleo do mundo depois da Vitol, o que confere à empresa uma visão privilegiada dos fluxos globais de energia.

Sobre o gás natural, o executivo disse que os preços podem subir muito no inverno se o clima frio elevar a demanda na Europa e na Ásia.

A perspectiva de ganhos coincide com a rápida recuperação da demanda por petróleo ao nível pré-pandemia. A maioria das tradings calcula que o consumo atinja o nível de 2019 até meados de 2022. À medida que a demanda se recupera, a oferta não consegue acompanhar: empresas de gás de xisto dos EUA limitaram os investimentos, preferindo pagar dividendos aos acionistas. Como o gás de xisto dos EUA reage lentamente aos preços mais altos, a coalizão Opep+ tem conseguido manter o mercado sob controle.

“A indústria de gás de xisto dos Estados Unidos tem mostrado muita disciplina. Os preços do petróleo correspondem a quase o dobro do nível há um ano e, apesar disso, não vemos um grande aumento das perfurações”, disse Luckock.

Luckock disse que é difícil ver preços mais baixos do gás natural neste inverno na Europa, apesar de a commodity já ser negociada em cotação recorde.

Os preços do gás natural na Europa ultrapassaram US$ 25 por milhão de unidades térmicas britânicas, mais de 400% acima da média de 2010-2020 e estão significativamente mais altos do que nos Estados Unidos, onde a commodity é comercializada por cerca de US$ 5 por milhão de BTU. Na Ásia, o gás natural liquefeito era negociado recentemente a cerca de US$ 27 por milhão de BTU, um recorde sazonal.

Luckock disse não acreditar que a Rússia, o maior fornecedor de gás para a Europa, esteja intencionalmente restringindo a oferta para ganhos políticos, sugerindo que o governo de Moscou já está bombeando o máximo de gás possível.

“É fácil dizer que há motivação política, mas acho que é mais simples do que isso: muitos campos de gás da Rússia estão em manutenção, os estoques domésticos estão muito baixos, os fluxos aumentaram significativamente para a Turquia, e a Gazprom enfrenta dificuldades para elevar a produção”, disse.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos