Mercado abrirá em 7 h 16 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,39
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.830,60
    -5,50 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    57.352,45
    +2.627,39 (+4,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.554,59
    +1.311,91 (+540,59%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.073,18
    +59,37 (+0,21%)
     
  • NIKKEI

    28.164,26
    -444,33 (-1,55%)
     
  • NASDAQ

    13.262,75
    -83,25 (-0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3332
    -0,0122 (-0,19%)
     

Trading Trafigura diz que cobre tem mais espaço para ganhos

Andy Hoffman, Manus Cranny e Mark Burton
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A trading Trafigura disse que o cobre e outras commodities têm espaço para subir ainda mais com a contínua demanda global por matérias-primas, o que pode levar a um rali dos preços de vários anos.

“A demanda é extraordinariamente forte no mundo todo e não se limita a um setor”, disse Saad Rahim, economista-chefe da Trafigura, em entrevista à Bloomberg Television.

A operadora independente de petróleo e metais espera mais ganhos depois que o cobre atingiu US$ 10.000 a tonelada na semana passada, pela primeira vez desde 2011. As operações de comércio físico da empresa com sede em Cingapura lhe dão uma visão privilegiada da oferta e demanda globais.

O cobre se aproxima da máxima histórica atingida há uma década, enquanto economias em recuperação impulsionam a demanda e mineradoras se esforçam para atender os pedidos. A Trafigura disse em março que os preços do cobre devem subir para US$ 15.000 na próxima década com a descarbonização, o que incentivará o uso do metal em meio aos déficits de produção.

Rahim disse que a Trafigura não vê redução da demanda por cobre apesar da alta dos preços, já que a substituição é limitada. Se a legislação de estímulo proposta nos Estados Unidos for aprovada, os preços devem entrar em um forte superciclo, disse.

Na Bolsa de Metais de Londres, o cobre chegou a subir 1,3% na terça-feira, para US$ 9.950 a tonelada, após atingir US$ 10.008 a tonelada na semana passada, o maior nível em uma década.

Os preços do cobre dobraram em relação às mínimas de março do ano passado, em linha com a valorização das matérias-primas, como petróleo e commodities agrícolas. Esses ganhos reacendem o debate se o boom atual poderia sinalizar o chamado superciclo das commodities.

Rali global

Rahim disse que a demanda por commodities, principalmente por cobre, vem não apenas da China, o maior consumidor, mas também de outras grandes economias.

“Estamos vendo um rali global, multirregional e multissetorial”, afirmou. “Pela primeira vez em muito tempo, temos uma demanda muito forte vinda dos Estados Unidos, Europa, Japão e Coreia.”

Rahim disse que o rali atual e a estrutura do mercado mostram que compradores estão dispostos a pagar preços altos agora. Se e quando a legislação de estímulo dos EUA for aprovada, isso levará a mais decisões de compra, e a Trafigura espera que os preços subam ainda mais nos próximos anos.

“É quando realmente começaremos a ver essa movimentação dos preços acontecer”, destacou. “Ainda há mais ganhos por vir.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.