Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.905,58
    +1.293,20 (+2,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Traders agora esperam aumento dos juros pelo BCE apenas em 2023

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- Operadores adiaram para 2023 apostas de um primeiro aumento dos juros pelo Banco Central Europeu, um sinal de que teriam captado a mensagem de paciência das autoridades monetárias.

Most Read from Bloomberg

Os mercados monetários agora esperam que o banco central eleve a taxa de depósito em 10 pontos-base apenas em fevereiro de 2023, em comparação com a aposta anterior de aumento em dezembro de 2022 precificada na quarta-feira. Com isso, a taxa básica de juros pode levar cinco anos para chegar a 0%, segundo sinalizado por contratos de swap.

“Um aumento dos juros em 2022 parece ser demais”, disse Jens Peter Sorensen, analista-chefe do Danske Bank, segundo o qual as atuais pressões inflacionárias são transitórias. Ele espera que o BCE aumente os juros depois de 2023. Segundo ele, a frágil recuperação econômica europeia e os crescentes casos da Covid-19 são fatores que reforçam a paciência.

Tanto a presidente do BCE, Christine Lagarde, quanto Isabel Schnabel, do conselho executivo, questionaram previsões de aperto monetário no ano que vem. Na segunda-feira, Lagarde disse que as condições para um aumento dos juros em 2022 eram muito improváveis de serem atendidas, comentário ecoado na quarta-feira por Schnabel e Luís de Guindos, vice-presidente do BCE.

É uma grande virada das apostas, já que na semana passada traders precificavam até 20 pontos-base de aumento em 2022 diante dos temores globais de inflação. Nos EUA, os preços em outubro subiram no ritmo mais rápido em três décadas.

Ainda assim, na região do euro a inflação atingiu 4,1% no mês passado, a maior alta em 13 anos e mais do que o dobro da meta do BCE.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos