Mercado abrirá em 21 mins
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,70
    +1,25 (+1,41%)
     
  • OURO

    1.717,80
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    19.887,44
    -398,20 (-1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,99
    -11,13 (-2,40%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    7.021,46
    +24,19 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.526,00
    -15,75 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0883
    -0,0252 (-0,49%)
     

Trabalho híbrido é usado por 56% das empresas no Brasil

Coworking space
Coworking space
  • 56% das organizações já atuam com o formato híbrido em 2022

  • Mais de metade dos trabalhadores se sentem mais produtivos dessa forma

  • Apenas um quarto dos escritórios permanecem no modelo presencial

A pandemia mudou a forma como os escritórios e os trabalhadores enxergam o trabalho remoto. Com a retomada das atividades presenciais, algumas empresas preferiram continuar em regime home office, enquanto outras pediram para que o time de colaboradores voltasse a trabalhar presencialmente.

Uma pesquisa feita pela IDC Brasil, a pedido do Google Workspace, aponta que o modelo de trabalho híbrido é o mais adotado por empresas no Brasil atualmente. Dados apurados pelo levantamento mostram que em 2022, 56% das organizações já atuam com o formato híbrido, ante 44% em 2021.

Em 2022, apenas um quarto das companhias permanecem no modelo presencial, contra 29% no ano passado. Uma possível justificativa tem sido a importância do modelo escolhido na hora de atrair e reter talentos.

Para 36% das pessoas ouvidas, é importante que a empresa ofereça um tipo de trabalho que se alinhe às preferências pessoais de serviço, Entre os entrevistados, 65% de quem está trabalhando no presencial mudaria de emprego para ir para o formato híbrido, já, 54% de quem está no remoto mudaria de emprego para ir ao híbrido.

Entre as pessoas que já exercem as funções neste formato, 81% dizem que o modelo aumenta a capacidade de se adaptarem às mudanças que acontecem diariamente e 76% consideram que a companhia e a chefia estão prontas para ajudar seus funcionários a aproveitarem ao máximo dessa opção.

De acordo com o estudo, 58% dos trabalhadores se sentem muito produtivos no híbrido em 2022. No ano passado, o número ainda era de 36%. A pesquisa entrevistou 1.258 colaboradores de grandes empresas brasileiras de diversos setores e tamanhos, entre 22 de abril e 22 de junho deste ano.