Mercado abrirá em 4 h 55 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,97
    +0,61 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.785,60
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    49.615,50
    -1.021,29 (-2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.299,27
    -5,85 (-0,45%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    24.239,70
    +242,83 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.375,25
    -17,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2735
    -0,0006 (-0,01%)
     

Trabalhadores dos Correios terão reajuste salarial de 9,75%

·2 min de leitura
*ARQUIVO* SAO PAULO - SP - 23.04.2013 - Fachada de loja dos Correios na da Consolacao, 1131, que pode estar infringindo a Lei Cidade Limpa.(Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO - SP - 23.04.2013 - Fachada de loja dos Correios na da Consolacao, 1131, que pode estar infringindo a Lei Cidade Limpa.(Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os funcionários dos Correios conquistaram reajuste salarial de 9,75%. O percentual foi definido na Justiça, após julgamento no TST (Tribunal Superior do Trabalho) nesta segunda-feira (22), e vale nos salários e nos vales alimentação e refeição. Os aumentos são retroativos a agosto, que é a data-base da categoria.

De acordo com o Sintect-SP (Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares de São Paulo, Grande São Paulo e zona postal de Sorocaba), o Judiciário também determinou o restabelecimento do adicional de 15% referente ao trabalho realizado aos sábados.

O diretor de comunicação do Sintect-SP, Douglas Melo, cita outro ponto do julgamento que considera como uma vitória para os trabalhadores, que é o veto à criação de um banco de horas.

Melo afirma que também ficou definida a reativação, no acordo coletivo, de cláusula que prevê a existência da Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) em todas as unidades, e não somente nas de grande porte.

Na opinião do sindicalista, o resultado do julgamento é positivo para os trabalhadores. "Foi uma vitória significativa, tendo em vista todo esse processo envolvendo a categoria, que está lutando para manter seus empregos e contra a privatização", diz.

"Estávamos desde 1º de agosto sem um acordo coletivo. Fizemos várias reuniões com a empresa e mediações com TST, mas não houve êxito. Ocorreram greves pontuais em alguns locais do Brasil, mas, em São Paulo, não houve greve", acrescenta.

Segundo o dirigente sindical, a categoria é composta por aproximadamente 15 mil trabalhadores na cidade de São Paulo e 40 mil no estado.

Procurado para comentar o julgamento, os Correios disseram somente que "a empresa aguarda a expedição da certidão do julgamento ocorrido ontem (22), no Tribunal Superior do Trabalho".

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO

Após a vitória no tribunal, Melo afirma que a categoria está empenhada em derrubar, no Congresso, o projeto de lei 591, que trata da privatização dos Correios. O projeto está em análise na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos