Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.650,16
    -2.381,27 (-3,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Trabalhadores da Fiat em Betim aprovam programa de suspensão temporário do contrato de trabalho

·2 minuto de leitura

RIO - O Sindicato dos Metalúrgicos e Metalúrgicas de Betim e Região anunciou nesta sexta-feira que, por 98,09% votos, trabalhadores da Stellantis (Fiat Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte), aprovaram a adoção do programa de suspensão temporária do contrato de trabalho. A medida ocorre devido ao agravamento da escassez global de insumos, principalmente de componentes eletrônicos. A escassez vem comprometendo o ritmo e o volume de produção na Fiat.

Segundo o presidente da entidade, Alex Custodio, a proposta, aprovada em audiência virtual por quase 9 mil trabalhadores na noite de quinta-feira, foi elaborada para preservar os empregos, mas que, em momento algum, houve discussões sobre demissões.

“O resultado da votação comprova que a proposta construída na mesa de negociação foi acertada. Uma vez que foram preservados todos os benefícios dos trabalhadores minimizando ao máximo as perdas na remuneração", disse Custodio.

A proposta aprovada prevê a a suspensão do contrato de trabalho, que pode ser de dois a quatro meses, e pode atingir até 6.500 trabalhadores. O funcionário que aderir ao programa receberá subsídio do governo nos moldes do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, do Ministério da Economia, e terá o complemento pago própria montadora.

O profissional que concordar em aderir ao programa não poderá ser convocado novamente pelo período de 16 meses.

O acordo valerá a partir de 1º de outubro e continuará em vigência até 30 de setembro de 2022. Conforme a proposta, quem ganha até R$ 3.500 terá seu salário garantido por completo. Já quem recebe de R$ 3.500,01 a R$ 6.988,30 terá garantido 95% do valor.

Quem ganha entre R$ 6.988,31 e R$ 10.800 garantirá 90% e, acima desse último valor, 85%. O trabalhador que tiver o contrato suspenso também terá que fazer um curso de qualificação profissional online e receberá R$ 70 de ajuda de custo por mês.

Em nota, a Stellantis informou que o programa foi necessário em razão da "escassez global de insumos" e que espera a normalização dos suprimentos para retomar o volume de produção.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos