Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.833,80
    +499,25 (+1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Trabalhadores da Amazon nos EUA votam pela rejeição de formação de sindicato

Hilary Russ e Richa Naidu
·3 minuto de leitura

Por Hilary Russ e Richa Naidu

(Reuters) - Os trabalhadores do centro de distribuição da Amazon no Estado norte-americano do Alabama votaram contra a formação oficial de um sindicato, em uma grande vitória da varejista. Mas o sindicato citou interferência da empresa no processo e que vai contestar o resultado.

Representantes do National Labor Relations Board (NLRB) - agência federal independente que protege os direitos dos trabalhadores do setor privado nos Estados Unidos -, que estavam supervisionando a eleição, contaram 1.798 votos contra a formação de um sindicato e 738 a favor. A maioria simples era necessária para a vitória.

Ambos os lados têm o direito de contestar a elegibilidade de cédulas individuais e do processo de campanha, mas um oficial de apuração de votos anunciou que não havia cédulas contestadas suficientes para afetar o resultado.

Dos 5.867 trabalhadores elegíveis para votar, cerca de 3 mil votaram. Membros do NLRB disseram que 505 cédulas foram contestadas e 76 anuladas.

As ações da Amazon subiam quase 2% nesta sexta-feira às 16h57 (horário de Brasília)

A derrota da tentativa de organização dos trabalhadores se junta a fracassos para formação de sindicatos em fábricas de automóveis e aviões no sul dos EUA. A vitória da empresa também ilustra a dificuldade de sindicalização de funcionários de grandes companhias privadas. A Amazon exigiu que os trabalhadores comparecessem a reuniões organizadas por ela, por exemplo.

Ainda assim, alguns funcionários descrevem condições e salários relativamente bons na Amazon. A empresa oferece pelo menos 15,30 dólares por hora de trabalho, mais do que o dobro do salário mínimo federal, que se aplica no Alabama.

"A Amazon não é perfeita, há falhas, mas nós estamos comprometidos a corrigi-las e a administração da empresa tem até agora nos apoiado", disse William Stokes, funcionário da Amazon no galpão de Bessemer durante uma apresentação organizada pela companhia. Ele votou "não" à sindicalização.

A votação foi assistida por todo o país. O presidente dos EUA, Joe Biden, defendia o direito dos trabalhadores de formar sindicatos durante o processo.

O sul dos EUA tem sido particularmente contrário ao movimento trabalhista. Quase todos os Estados da região, incluindo o Alabama, aprovaram as chamadas “leis de direito ao trabalho", que restringem a competência de atuação dos sindicatos.

PRÓXIMOS PASSOS

O Sindicato do Varejo, Atacado e Loja de Departamento (RWDSU, na sigla em inglês), que está tentando organizar os trabalhadores da Amazon, afirmou que tem objeções ao resultado e acusou a companhia de interferir no direito de voto dos funcionários.

"Afirmamos que eles infringiram a lei repetidamente em seu esforço irrestrito para impedir os trabalhadores de formarem um sindicato", disse Stuart Appelbaum, presidente do RWDSU, em entrevista coletiva após o término da contagem.

A disputa provavelmente ainda vai durar no National Labor Relations Board (NLRB) e, em seguida, em tribunal federal de apelações.

A objeção sindical se concentrará em parte no que a entidade descreveu como atos da Amazon para fazer com que o serviço postal dos EUA instalasse uma caixa postal na empresa. Em seguida, segundo o sindicato, a empresa pressionou os funcionários a trazerem suas cédulas de votação para o trabalho e usarem a caixa postal para depositarem a cédula.